Carlota Tello, forja do Presidente Gonzalo e exemplar combatente maoista

Camarada Carla. Foto: Reprodução

Carlota Tello Cuti, militante do Partido Comunista do Peru (PCP) e combatente do Exército Guerrilheiro Popular (EGP), soldado vermelho do Presidente Gonzalo, foi um exemplo de dar a vida pelo Partido e à Revolução. Ela nasceu em 1960, provavelmente em Cahua, na província de Angaraes, sendo de uma humilde família camponesa. Carlota foi considerada filha bastarda: seu pai, Vicente Tello, jamais a reconheceu como filha; pouco se soube sobre sua mãe e a relação entre elas. 

O certo é que Carlota teve uma infância pobre, e antes dos 13 anos se mudou para a cidade de Huamanga para servir de empregada doméstica para famílias ricas em troca de casa e comida – um regime de servidão muito comum em diversos países de capitalismo burocrático. 

Em Huamanga, fez seu ensino secundário no colégio “Mariscal Cáceres” e lá conheceu a Fração Vermelha do Partido Comunista do Peru (PCP). O PCP, em meio ao processo de reconstituição, tinha nesse colégio uma considerável base de ativistas entre estudantes e docentes. Carlota, provavelmente, integrou ali o PCP, e teve participação bastante ativa na greve magisterial de 1978. 

CARLOTA TELLO SE TORNA CAMARADA CARLA

Em 1980, quando o PCP e o Presidente Gonzalo – chefatura do PCP e da Revolução Peruana – decidem iniciar a Guerra Popular no Peru, Carlota contava com apenas 20 anos e assumiu de forma heroica esse desafio de ser uma das iniciadoras. 

A recém-batizada “Camarada Carla” participou de inúmeras ações na região de Ayacucho – ações, dentre as quais uma é muito bem retratada no livro Um dos Primeiros…, publicado  pela editora Seara Vermelha.

A Camarada Carla desempenhava um papel importante no Comitê Zonal em Huamanga, quando foi presa no distrito de Pacaycasa e encarcerada na penitenciaria de Huamanga, onde também estava detida Edith Lagos. Não ficou lá por muito tempo: em 3 de maio de 1982, ambas, juntamente com os demais prisioneiros de guerra revolucionários, são libertadas em uma ação militar magistral do PCP e do EGP.

Após ser libertada, Carla continuou atuando ativamente na Guerra Popular, assumindo a responsabilidade pelo trabalho camponês nas províncias de Huanta e Huamanga. Atua, sempre ativamente, na construção do Novo Poder e da República Popular de Nova Democracia, sendo combatente de uma das colunas guerrilheiras do EGP que confrontou-se com as tropas do general Clemente Noel – verdugo genocida culpado de centenas de assassinatos dos melhores filhos do povo peruano e criador de diversos centros de tortura clandestinos da reação por todo o Peru, onde se torturava, matava e sumia com os corpos impunemente. A Camarada Carla e outros militantes do PCP e combatentes do EGP empreendem feroz resistência, nestes primeiros anos da guerra revolucionária, que foram os mais difíceis até então, e logram impedir que a reação aniquile o processo recém-nascido – o que, por si só, foi uma grande vitória. 

DELAÇÃO, PRISÃO, TORTURA E ASSASSINATO 

Camarada Carla. Foto: Reprodução

Era tarde de 14 de novembro de 1984: ocorria uma reunião do Comitê Zonal de Ayacucho em Pangora (província de Huamanga), e ela foi violentamente interrompida. Um traidor delatou a reunião, onde se encontravam 13 comunistas pegos de surpresa. Ali foram executados sumariamente seis camaradas de Carla, e outros sete foram presos, dentre os quais estava ela.

Na noite do mesmo dia, a Camarada Carla e os outros foram conduzidos ao quartel Los Cabitos, e próximo desse quartel se encontrava uma vivenda de nome “Casa Rosada”, onde funcionava um centro de tortura da repressão. 

Na “Casa Rosada”, o major Jorge Contreras organizou as sessões de tortura que duraram cerca de quatro dias. Os homens eram torturados e as mulheres – que não eram poucas dentro do PCP –, além da tortura, eram sexualmente abusadas pelos algozes. 

Carlota, por quatro dias, foi torturada e violada, mas nada revelou aos seus torturadores; manteve comportamento exemplar e guardou sempre a “Regra de Ouro” – jamais delatar. Quando lhe pediram para que colaborasse depois de tudo que sofrera, não estremeceu nem acovardou-se; sua resposta estalou como chicote: “Não lhes tenho medo, e morrer é parte da luta”. Não delatou nenhum dos seus companheiros. Mesmo em condições tão desiguais, enfrentava os torturadores e respondia seus xingamentos: “Vocês não são cidadãos, nem políticos. Só são militares. Cachorros guardiões do sistema”. Sabendo que seria assassinada, respondeu aos verdugos: “Eu já estou morta, mas o Partido nunca vai morrer. Quando eu estiver morta, o partido vai lhe aniquilará. Ademais, morrerei sabendo que venceremos. Em vez disso, você vai morrer sem saber o motivo. Todas as revoluções triunfaram em seu momento: a francesa, a russa, a chinesa. Assim ocorrerá no Peru”

No quarto dia, Carlota e seus companheiros foram levados de capuz para as fossas comuns feitas no próprio quartel e assassinados com tiros na cabeça. Um ano depois, o governo de Alan Garcia mandaria que desenterrassem os corpos e os queimassem. Estimativas apontam que cerca de 500 militantes do PCP, combatentes do EGP e simpatizantes do partido foram torturados e executados na chamada “Casa Rosada”. 

Quatro anos depois da morte da Camarada Carla, em 1988, uma coluna do Exército reacionário peruano atacou a Base de Apoio de Cutcsa, departamento de Huamanga, em Ayacucho, massacrando treze pessoas, dentre as quais sete eram familiares de Carlota Tello – tios, primos e irmãos. Um dos seus parentes conseguiu fugir, mas foi sequestrado e desaparecido. 

A imprensa marrom a serviço dos terratenentes (latifundiários) e da grande burguesia peruana, na sua sanha anticomunista, tentou jogar um monte de lixo sob o túmulo de Carlota. Disseram que ela era “cruel”, “má”, “violenta”, mas nada pode apagar o que ela, de fato, foi: uma heroína do PCP, da Revolução Peruana e da Revolução Proletária Mundial, uma mulher jovem combatente que deu sua vida pela causa da Revolução; jamais capitulou mesmo frente às piores torturas e nunca negou o maoísmo, o pensamento gonzalo, a chefatura do Presidente Gonzalo e nem nunca jamais a linha da Guerra Popular, mantendo-se fiel a tudo isso até o último de seus suspiros.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin