MA: Liderança quilombola é assassinada por pistoleiros

No dia 29 de abril, o líder quilombola Edvaldo Pereira Rocha foi assassinado por pistoleiros. Edvaldo era presidente da Associação de Quilombolas do povoado Jacarezinho, localizada na cidade de São João do Soter, no estado do Maranhão. A região é alvo de contínuos ataques do latifúndio que busca expulsar os quilombolas dos territórios.

Edvaldo foi alvejado com oito tiros disparados por dois pistoleiros em uma motocicleta na manhã de 29/04, no KM 36 da rodovia MA-127. O líder quilombola havia agendado para os dias seguintes um depoimento onde ele denunciaria a extração ilegal de madeira na região do Quilombo Jacarezinho.

"Ele era uma referência não só para a sua comunidade, mas também para várias outras comunidades ao redor", afirmou Mayron Regis Brito Borges, presidente do Fórum Carajás.

Edvaldo Pereira Rocha, liderança quilombola assassinada por pistoleiros em 29/04. Foto: Reprodução

O Quilombo Jacarezinho

Apesar do território ter a certificação quilombola emitida pela Fundação Palmares e um processo de regularização fundiária no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) que segue em andamento desde 2006, os quilombolas seguem aguardando a titulação das terras. Enquanto isso,  o latifúndio segue com inúmeras investidas para tomar toda a região.

No ano de 2016, um homem conhecido como “Gaguinho” comunicou que através de um leilão arrematou as terras da comunidade quilombola. Ele logo iniciou a criação de gados e desmatamento do local.

De acordo com denúncia realizada pelo Forúns e Redes de Cidadania do Maranhão, a região onde ocorreu o assassinato “faz parte do famigerado corredor Matopiba, nova fronteira agrícola que conta com total apoio dos governos federal e estadual e que está avançando sobre comunidades tradicionais no interior do Maranhão”. 

Trata-se de um projeto revestido de “desenvolvimento” sobre uma área que engloba parte do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, onde é estimulado o avanço da fronteira agrícola, ou seja, do latifúndio, sobre territórios. Todavia estes já são habitados por camponeses, quilombolas e indígenas. O movimento denuncia que o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma) tem emitido diversos títulos aos latifundiários que empurram os camponeses para verdadeiros campos de guerra. 

A guerra injusta

O relatório Conflitos no Campo Brasil 2021 emitido no começo de 2022 pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) aponta que dos 97 casos de conflitos agrários relatados no Maranhão, 84 foram identificados na Região do Matopiba. Mais da metade dessas ocorrências (43) foram contra os quilombolas. Todos os nove trabalhadores assassinados em meio a luta pela terra no estado do Maranhão em 2021 eram quilombolas.

A comunidade denuncia que nenhum dos executores dos assassinatos foi julgado ou preso. Os quilombolas reafirmam o compromisso com a luta pelo justo direito à terra e declaram que a luta e morte de Edvaldo não serão vãs.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin