Sri Lanka: Massas incendeiam casas e escritórios de políticos do velho Estado contra a crise

Residência do Primeiro Ministro Mahinda Rajapaksa é incendiada pelas massas. Foto: Reprodução.

Nos dias 9 e 10 de maio, casas e veículos de membros do governo foram destruídos durante protestos no Sri Lanka. As massas em rebelião também destruíram escritórios de partidos políticos reacionários e realizaram bloqueios em estradas em rechaço à crise econômica e política do país.

O Sri Lanka está passando pela maior crise econômica do país desde 1948. Como já noticiado em nosso portal, a crise no país asiático tem afetado diversos setores da economia e instituições políticas do velho Estado. No dia 09/05,  o Primeiro Ministro do país, Mahinda Rajapaksa (irmão do presidente) renunciou ao cargo como tentativa de iludir as massas com falsas resoluções. Após a renúncia, Rajapaska fugiu de sua casa em uma operação conduzida pelo exército e se encontra, até agora, abrigado em uma base da marinha.

Aumentam o número de ações combativas pelo país.

Ônibus usados por delinquentes é empurrado para dentro de um lago. Foto: AP Photo.

Combatendo a repressão, as massas continuam a bloquear diversas rodovias do país contra a falta de comida, medicamentos e gás. Nós estamos em protesto desde ontem a noite. Sem gás em casa, ninguém recebe comida desde ontem [...]. Nós bloqueamos as rodovias ontem e hoje eles prometeram suprimentos, mas não é o suficiente, então estamos bloqueando as ruas, afirmou um manifestante ao portal Redfish.

No dia 09/05, em Colombo, capital do país, trabalhadores da construção destruíram com uma retroescavadeira um dos ônibus utilizados por provocadores pagos pelo governo para reprimir a manifestação. No mesmo dia, após a renúncia e fuga do Primeiro Ministro Mahinda Rajapaksa, as massas invadiram e incendiaram sua mansão em Hambantota, sul do país.  

Mais de dez casas e veículos de outros membros do governo foram incendiados desde o dia 09/05. Entre eles foram alvos da revolta das massas as residências do Ministro da Educação e Indústria de Plantações Ramesh Pathirana, do deputado e ex-Ministro das Estradas Johnston Fernando, em Monte Lavinia (uma região nobre de Colombo), do prefeito de Moratuwa, Saman Lal Fernando, e dos deputados Mahipala Herath, Thissa Kuttiarachchi, Nimal Lanz e Sanath Nishantha.

Os manifestantes acusaram os deputados Sanath Nishantha e Johnston Fernando de organizar o ataque feito aos manifestantes em Colombo. No dia 10/05, as massas incendiaram um hotel que, segundo manifestantes, pertencia a um parente dos Rajapaska. 

Além das residências, as massas também incendiaram escritórios de políticos e partidos eleitoreiros, como foi o caso de Johnston Fernando, do partido Sri Lanka Podujana Peramuna (SLPP; partido do presidente) que teve seu escritório completamente destruído.

Velho Estado aumenta repressão

Massas combatem militares. Foto: AP Photo.

No dia 10/05, um dia após a renúncia do Primeiro Ministro, o governo do presidente reacionário Gotabaya Rajapaksa aprovou um novo toque de recolher e deu permissão à polícia e militares do país usarem armas de fogo contra os manifestantes e executarem prisões sem mandado. Essa medida foi aprovada após a polícia ter assassinado um ativista no dia 19/04.

Nos últimos dias, diversos combates têm ocorrido entre manifestantes e delinquentes pagos pelo governo para provocar e reprimir os manifestantes, dentre eles deputados lacaios ao governo. No dia 09/05, delinquentes armados com barra de ferro foram levados até as manifestações de ônibus (muitos deles de fora da cidade) e agrediram diversos manifestantes em Colombo, na tentativa de frear os protestos.

No mesmo dia, o deputado Amarakeerthi Athukorala, partidário de Rajapaksa, matou um manifestante ao atirar de dentro de um carro contra um protesto na cidade de Nittambuwa. Mais tarde o covarde cometeu suicídio.

Oito pessoas morreram e mais de 200 foram hospitalizadas como resultado dos confrontos entre manifestantes e provocadores, com a esmagadora maioria dos mortos e feridos sendo do povo.

Massas não recuam diante da repressão

A explosividade demonstrada pelas massas do Sri Lanka indicam não somente um salto na luta popular espontânea, mas também indica um agravamento da contradição entre as massas em luta e o velho Estado, que lançará cada vez mais mão da violência reacionária.

Segundo as forças de repressão do velho Estado srilankês, as ações “não se tratam mais de raiva espontânea, é violência organizada”, afirmou um oficial de segurança, em condição de anonimato, à AFP.

Ao povo do país asiático, caberá aprofundar sua organização para persistir na defesa dos seus direitos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin