Morre, aos 58 anos, o compositor e sambista Eduardo Gallotti

Eduardo Gallotti em 2016. Foto: Reprodução

“Acho que [o samba é eterno] se o Rio e o Brasil resistirem a esse desmonte cultural. O samba vai permanecer na mão dos apaixonados. Nenhum outro gênero musical tem essa melodia, essa riqueza musical.”

Gallotti, em entrevista para a agenda cultural Bafafá

O sambista Eduardo Gallotti, conhecido por seu papel ativo na criação de várias rodas tradicionais de samba no Rio de Janeiro e em Niterói, morreu no dia 12 de maio de 2022, com complicações de um câncer em suas cordas vocais. Gallotti foi uma figura importante na pesquisa, preservação e impulsionamento da cultura popular no Rio de Janeiro nos anos 90-2000.

Pot-pourri de temas de Noel Rosa, faixa do álbum "O Samba das Rodas" (2002).

Músico profissional desde os 20 anos, o sambista de Botafogo ganhou o apelido de “kit samba” nos anos 80, por carregar instrumentos de percussão consigo, para “armar uma batucada” em qualquer lugar que fosse. 

Já tendo experiência com pesquisa musical e em rodas de samba, a partir dos anos 90 atuou na fundação de várias rodas tradicionais por toda a capital, como a Sobrenatural (em Santa Teresa), a Severina (em Laranjeiras), a do bar Emporium (na Lapa) e no Candongueiro (em Niterói). Foi especialmente relevante para a revitalização da vida cultural da Lapa, onde os bailes no histórico Clube dos Democráticos com a Orquestra Republicana e os Anjos da Lua foram marcos.

Após a descoberta do tumor em suas cordas vocais, teve de fazer uma traqueostomia e perdeu sua voz. Ainda assim, manteve-se ativo o quanto pôde, a exemplo de sua apresentação na reabertura do Trapiche Gamboa, em 2021, comandando a Roda do Gallotti com seu cavaquinho. O gurufim realizado em seu enterro celebrou sua paixão pelo samba de roda, que, à moda de seu "kit", levou consigo em seus momentos de maior dificuldade.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin