MS: Indígenas e camponeses lutam contra fechamento de cursos na UFGD

Estudantes da UFGD denunciam o interventor Lino Sanabria, escolhido por Bolsonaro para reitoria da Universidade. Foto: Banco de Dados AND

No dia 10 de maio, estudantes e professores da Faculdade Intercultural Indígena (FAIND) da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) organizaram um ato contra o fechamento dos cursos do seu departamento. O risco de fechamento é iminente e o reitor interventor Lino Sanabria disse que “o orçamento é zero” para esses cursos.  

Criada em 2012, a partir da demanda do Movimento dos Professores Guarani e Kaiowá com o curso de Licenciatura Intercultural Indígena Teko Arandu, a FAIND conta ainda com a Licenciatura em Educação do Campo (LEDUC) e a Pós-Graduação em Educação e Territorialidades. O departamento atende cerca de 400 estudantes de mais de 17 municípios.

Pelo direito de estudar

Há anos os estudantes da FAIND demonstram combatividade diante das ameaças de fechamento do curso e reduções de bolsa que dificultam o acesso dessas populações historicamente excluídas do ensino superior. Em 2016, os estudantes da LEDUC participaram ativamente da ocupação da reitoria da UFGD no contexto de lutas contra o teto de gastos imposto pela gerência de Michel Temer e, no ano seguinte, fizeram uma ocupação contra a falta do vestibular para o curso. Posteriormente, não faltaram problemas, aprofundados pela intervenção do governo militar genocida de Bolsonaro na reitoria da UFGD desde 2019.

Estudantes da UFGD em luta contra o fechamento de cursos. Foto: Banco de Dados AND

A chamada para o ato enfatizava o caráter de desmonte da intervenção diante da “faculdade que nasceu da luta ancestral dos povos originários Kaiowá e Guarani”. Mostrando mais uma vez que só a luta combativa garante os direitos, os estudantes da LEDUC conclamaram: “Defender a FAIND é defender uma Educação dos povos para os povos, é defender os territórios e a vida. E sabemos que o caminho é a luta. Essa luta é de todas/os nós”.

Estudantes da UFGD em luta contra o fechamento de cursos. Foto: Banco de Dados AND

Estudantes da UFGD em luta contra o fechamento de cursos. Foto: Banco de Dados AND

Estudantes tomam as ruas

A manifestação começou com concentração na FAIND e houve uma marcha até o Centro de Convivência da UFGD, onde foram feitas falas públicas. Os que falaram ressaltaram a importância de defender a universidade pública, a luta pela autonomia universitária contra a intervenção e contra o governo de Bolsonaro.

Ato percorre as ruas do entorno da UFGD pelo direito de estudar e aprender. Foto: Banco de Dados AND

Um manifesto intitulado “Resiste FAIND” foi distribuído aos trabalhadores que passavam no local. Os estudantes denunciavam ainda que o problema não é meramente orçamentário, mas, sim, político. As políticas de desmonte do ensino público do governo militar de Bolsonaro e generais foram denunciadas como parte da política de privatizar toda a educação pública do Brasil. Segundo os estudantes, ela reflete um projeto de destruição e privatização da educação pública, da educação escolar e do ensino superior indígena e camponês.

A combatividade é apontada pelos estudantes em luta como a única forma de defender o direito de estudar e permanecer na Universidade: “Não serão os reis do agronegócio e os herdeiros das caravelas que derrubarão nosso direito de estudar e permanecer na Universidade”.

Ato percorre as ruas do entorno da UFGD pelo direito de estudar e aprender. Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin