Poema: “Casa de Detenção de Istambul” (1939), de Nâzim Hikmet


Série Poesia Progressista da Turquia


 

Nâzim Hikmet (1902-1963) foi um poeta comunista turco. Um dos poetas mais reverenciados de seu país, foi preso por 12 anos e exilado da Turquia por sua filiação comunista. Tradução adaptada do inglês.

 

No jardim da Casa de Detenção de Istambul

num inverno ensolarado após a chuva

enquanto nuvens, ladrilhas vermelhas, paredes e meu rosto

                            tremulavam nas poças d’água do chão,

Eu - com tudo o que tinha de mais bravo e malvado em mim,

do mais forte e do mais fraco -

pensei sobre o mundo, sobre meu país e em você.

 

1

 

Meu amor,

eles estão em marcha:

cabeças à frente, olhos esbugalhados,

a cintilação vermelha das cidades em chamas,

                            colheitas pisoteadas

                            pegadas

                                          sem fim.

E pessoas abatidas:

                            como árvores e bezerros,

                            somente que mais fácil

                                         e mais rápido.

 

Meu amor,

em meio a essas pegadas e a esse abate

por vezes perdi minha liberdade, meu pão e você,

mas nunca a minha fé nos dias que virão

emergindo da escuridão, dos gritos e da fome,

batendo em nossa porta com as mãos cheias de sol.

 

2

 

Estou maravilhosamente alegre de ter vindo ao mundo:

eu amo sua terra, sua luz, sua luta, seu pão.

Ainda que eu saiba as suas dimensões do polo ao polo

                                          ao centímetro,

e mesmo não ignorando o fato de que seja um mero brinquedo perto do sol,

o mundo para mim é inacreditavelmente grande.

Eu gostaria de ter rodado o mundo,

e ter visto os peixes, frutas e estrelas que não vi.

Todavia,

Viajei pela Europa somente através de livros e figuras.

Em toda minha vida nunca recebi uma única carta

                            com sua estampa azul cancelada na Ásia.

Eu e o vendedor da esquina,

ambos somos gigantescamente desconhecidos na América.

Mesmo assim,

da China à Espanha, do Cabo da Boa Esperança ao Alaska,

em cada milha náutica, em cada quilômetro, eu tenho amigos

                                                                      e inimigos.

Amigos estes que nunca nos conhecemos

e no entanto podemos morrer pelo mesmo pão, pela mesma liberdade, pelo mesmo sonho.

E inimigos estes que têm sede de meu sangue - 

                                                        E eu tenho sede do deles.

Minha força

é não estar sozinho nesse mundo enorme.

O mundo e seu povo não são segredos para meu coração,

                                          não são mistérios para minha ciência.

Calmamente e abertamente

                            eu tomei meu lugar

                                                        na grande luta.

E sem ela,

                            você e a terra

                            não bastam para mim.

E ainda assim você é surpreendentemente linda,

                            e a terra é calorosa e linda.

 

3

 

Eu amo meu país:

Eu passeei por seus plátanos,

eu dormi em suas prisões.

Nada ergue meus espíritos como suas canções e seu tabaco.

 

Meu país:

Bedreddin¹, Sinan², Yunus Emré³ e Sarakya⁴,

cúpulas de chumbo e chaminés fabris -

é tudo trabalho de meu povo, cujos bigodes pendentes

escondem seus sorrisos

mesmo deles próprios.

 

Meu país:

tão grande

que parece infinito.

Edirne, Izmir, Ulukishla, Marash, Trabzon, Erzurum⁵.

Tudo o que sei do planalto do Erzurum são suas canções,

e tenho vergonha de dizer

que nunca cruzei os Montes Tauro

para visitar os catadores de algodão

                                          no sul.

 

Meu país:

camelos, trens, Fords, e burros doentes,

álamos,

              salgueiros

                             e terra vermelha.

 

Meu país:

bodes na planície do Ankara,

o esplendor de seus longos cabelos loiros e sedosos.

As suculentas avelãs gordas do Giresun.

As maçãs da Amásia, com fragrantes bochechas vermelhas

              figos,

                            melões,

e um punhado de uvas

                                                        de todas as cores,

então os arados,

e os bois pretos,

e então meu povo,

              preparado para abraçar

                            com a alegria dos olhos arregalados de uma criança

tudo que é moderno, belo e bom - 

meu povo honesto, trabalhador, bravio

              meio cheio, meio faminto

                                          meio escravo…

Notas:

1 - Sheikh Bedreddin: revolucionário que liderou uma insurreição contra a opressão do Sultão Mehmed em 1416.

2 - Mimar Sinan: importante arquiteto dos sultões do Império Otomano no séc. XV.

3 - Yunus Emré: poeta popular da tradição sufita do séc. XII.

4 - Sarakya: rio que deságua no mar negro.

5 - Cidades turcas.

 

Ainda que a reprodução de suas obras tenha sido proibida na Turquia até 1968, ainda hoje, os poemas de Hikmet são um ponto de identificação entre as forças democráticas e revolucionárias da Turquia, interpretados em diversas canções populares.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin