PE: Camponeses da Zona da Mata seguem na luta pela terra após assassinato de criança

No dia 4 de abril, cerca de 400 camponeses da Zona da Mata Sul de Pernambuco realizaram um protesto exigindo a suspensão do leilão de terras de antigas usinas desativadas – agora local onde vivem milhares de trabalhadores – e justiça pela morte de Jonatas Oliveira, criança de 9 anos assassinada por pistoleiros a mando do latifúndio em fevereiro deste ano. O ato teve início em frente à Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) e seguiu em marcha até o Palácio do Campo das Princesas, sede do governo em Recife.

Carregando cartazes com a consignas: “Mataram o menino Jonatas, agora querem matar toda a comunidade realizando leilão em nossas terras” e “Terra para quem nela trabalha e vive!”, os manifestantes exigiam justiça pelo assassinato da criança e denunciavam a realização de leilão promovido pelo velho Estado de terras ocupadas pelos camponeses.

Os camponeses relatam que após o cruel assassinato do pequeno Jonatas filho de Geovane da Silva Santos, um líder camponês em Roncadorzinho, aumentaram os conflitos em outras comunidades da região que cerca de 1,5 mil famílias estão sofrendo novas ameaças de despejo.

Os trabalhadores denunciam que há em curso uma onda de leilões judiciais dos imóveis de antigas e desativadas usinas, como a Usina Santo André e a Usina Frei Caneca. Ambas acumulam dívidas milionárias tanto com o velho Estado, quanto com os trabalhadores.

“A violência não para porque os leilões estão surgindo, aparece gente por lá ameaçando que as famílias serão despejadas e que já compraram a terra. A única fonte de renda que essas pessoas têm é essa terra. É a única fonte de vida. São pessoas que moram lá há 30, 40, 50 anos, gente que nasceu e viveu lá. Eles não têm condições financeiras e nem conseguem viver na cidade, principalmente os idosos, porque se estabilizaram no campo”, afirmou Giovane José Leão, agente da Comissão Pastoral da Terra (CPT) em entrevista ao portal Leia Já.

Segundo a CPT esses leilões judiciais são questionados por conterem indícios de fraude e por alimentar um esquema de repasse de terra no local para as mãos do latifúndio, uma vez que essas podem ser adquiridas a preços vis pelo “proprietário” latifundiário, livrando assim os imóveis das dívidas fiscais e trabalhistas a que estão vinculados. 

O caso expõe uma nova face da política latifundiária do velho Estado burocrático-latifundiário para manter as terras nas mãos de poucos e o avanço da violência reacionária contra as massas camponesas. 

As famílias, porém, não se deixam intimidar e demonstram que mesmo diante de brutais e covardes ataques, seguem organizadas exigindo o justo direito à terra. 

Em protesto camponeses reivindicam terra. Foto: Vitória Silva

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin