Índia: Massas se rebelam contra destruição de moradias pelo governo Modi

Moradores de Shaheen Bagh enfrentam forças de repressão contra demolição de suas moradias. Nenhum prédio foi demolido diante da resistência das massas. Foto: Manish Swarup

As massas mais profundas da capital da Índia, Nova Déli, têm protestado combativamente contra a destruição de suas moradias e pequenos negócios pelo governo fascista de Narendra Modi. Em seu ataque ao direito de moradia, as construções estão todas sendo destruídas a mando da prefeitura em dezenas de bairros, desde os operários aos da pequena burguesia, destruindo milhares de barracões, carrocinhas de comida e até mesmo prédios, mesmo com documentos que comprovam a posse do local.

As ações contra o povo foram levadas a cabo a partir da segunda semana de maio.

Trabalhadores e imigrantes resistem em Jahangirpuri

Contra isso as massas dão grande mostra de heroísmo e combatividade, enfrentando a polícia e impedindo os tratores de derrubarem suas propriedades. Em Jahangirpuri, bairro predominantemente composto por trabalhadores imigrantes, houve grande resistência do povo que parou aos tratores e combateu centenas de policiais. 

Nesse dia, quando ocorreram outras diversas operações de demolição contra bairros populares, foram empregadas 12 companhias com cerca de 1.250 agentes da polícia em toda a cidade, a maioria sendo alocadas em Jahangirpuri.

O bairro de Jahangirpuri teve acentuada repressão policial pois dois dias antes as massas locais já haviam combatido uma incursão fascista em seu bairro. Nessa ocasião, por conta de uma comemoração religiosa hindu, grupos fascistas que se escoram na religiosidade para corporativizar as massas atacaram o bairro majoritariamente muçulmano, entoaram consignas fascistas pelas ruas e tentaram entrar em uma mesquita local com uma bandeira hindu. 

O próprio partido do fascista de Modi, o Bharatiya Janata Party (“Partido do Povo Indiano”, BJP), que tem ligações diretas com as milícias de extrema-direita, afirmou que os alvos das demolições nos bairros eram “[imigrantes] ilegais de Bangladesh e Rohingya”, nacionalidades e etnias oprimidas pelas classes dominantes indianas. 

O muro da mesma mesquita que foi invadida pelos fascistas foi derrubada durante a demolição, assim como diversas moradias e negócios locais.

Demolição de estruturas em Jahangirpuri.

Bairro com histórico de luta impede destruição

Outro bairro popular com histórico de luta foi alvo da operação de guerra foi Shaheen Bagh. Um dos epicentros dos grandes protestos de 2019 contra um projeto de lei que buscava retirar a cidadania de quaisquer cidadãos indianos que não tivessem uma extensa lista de documentação para provar que são “genuinamente indianos”.

Em forma de retaliação contra essas massas profundas que lutam por seus direitos, suas casas foram alvos das forças de repressão do velho Estado latifundiário-burocrático. Entretanto, devido à combatividade delas, elas conseguiram impedir a operação de destruição e fizeram os policiais e tratores recuarem.

Em outras dezenas de bairros o povo se rebelou contra o projeto anti-povo, como em Subhas Nagar em que as massas encurralaram as retroescavadeiras e policiais.

Inchaço nas cidades: quais os motivos?

Mais de 80% da cidade de Nova Déli não foi construída de forma planejada, assim como 5 milhões de pessoas vivem em comunidades “não autorizadas” pelo velho Estado indiano em Nova Déli e pelo menos 1 milhão vivem em casas improvisadas feitas de barro e estruturas de metal, isso na população de 32 milhões na capital. 

O projeto de demolição dessas estruturas é uma ação que busca atacar o direito do povo de ter acesso à moradia. Utilizando-se da constituição para cumprir com os interesses das classes dominantes indianas, o governo fascista de Modi ataca principalmente os bairros mais pobres e de massas mais profundas com o aval dos tribunais.

São atingidas as massas de operários, de camponeses que foram obrigados a ir para a cidade por causa do latifúndio. Dentre esses setores empobrecidos, destaca-se também os imigrantes. Assim como os muçulmanos, que conformam cerca de 14% da população indiana e são constantemente vítimas de ataques deliberados de grupos fascistas.

A economia da Índia tem como base a agricultura (mais da metade de sua economia), assim como quase 900 milhões da sua população vive no campo (de um total de 1,38 bilhões, de acordo com os dados oficiais). Essa população rural também demonstra crescimento a cada ano. Com a ação dos latifúndios e grandes mineradoras e empresas extrativistas na Índia, essa população rural é expulsa de suas terras, seja por bandos armados a serviço dos monopólios, pela burocracia estatal de titulação de terras, ou pelas próprios condições brutais da semifeudalidade no campo.

O inchaço das cidades está diretamente relacionado com o problema da concentração de terras e o atual governo de turno indiano, do fascista Modi, continua a aprofundar a penúria de centenas de milhões de camponeses através de “reformas” agrárias que impulsionam o latifúndio e tiram direitos dos camponeses e, para as massas de operários nas cidades, as “reformas” trabalhistas que acabam todo e qualquer direito trabalhista.

A situação das massas em Nova Déli

Mulher chora ao ter sua casa destruída pelo velho Estado.

Enquanto isso, Nova Déli vê o desemprego subir a mais de 76%, com 28% da sua população morando em favelas, em uma situação deplorável: além da falta de acesso a banheiros (48% das famílias em Nova Déli tem de fazer suas necessidades na rua), cerca de 44% das pessoas vivendo em favelas em Déli não tem acesso à água em suas comunidades.

Tudo isso representa o regime de exploração e opressão do velho Estado indiano latifundiário-burocrático sobre as massas populares. Nele, as polícias e as milícias de extrema-direita, se integram como parte das forças repressivas usadas contra o povo em geral para que não se rebelem contra a situação de precarização e miséria.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin