Suécia: Massas protestam contra adesão à OTAN

Massas protestam contra a adesão da Suécia à OTAN.

Vários protestos das massas contra a entrada da Suécia na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) ocorreram entre os dias 14 e 16 de maio em Estocolmo, capital da Suécia. As manifestações denunciam que a adesão à OTAN não beneficiará em nada ao povo sueco e colocará as massas do país à serviço dos interesses imperialistas ianques. Os Saami, povo indígena do país, também se manifestaram contra a entrada do país na coalizão imperialista, afirmando que intensificará a pilhagem de suas terras no país nórdico.

Contra a entrada de seu país na coalizão, o povo sueco tomou as ruas de Estocolmo com faixas e gritos de ordem que conclamavam Diga não à OTAN!. Os manifestantes denunciaram, ainda, o caráter imperialista da OTAN. Ulf Sparrbage, um dos ativistas presentes, afirmou ao monopólio de imprensa CCTV: “A OTAN tem feito guerras sem que nenhum país nativo [da OTAN, assinante do tratado] tenha sido atacado militarmente. Mesmo assim, eles destruíram grande parte do Oriente Médio, Afeganistão e por aí vai. Eles atuam na própria jurisdição para atacar outros países e isso tem causado muitos problemas no mundo”. 

Adesão à OTAN intensifica luta pela terra

Os Saami, um povo indígena do norte do país, se somaram às manifestações contrárias à adesão do país à OTAN. Já inseridos em um cenário de luta pela terra no país, os indígenas suecos afirmam que a entrada do país na coalizão intensificará essa disputa e prejudicará ainda mais os direitos dos povos originários à sua terra.

O norte da Suécia, área secularmente ocupada pelos Saami, tem grandes reservas de minerais, como o cobre, zinco e ferro. Desde o século XIX, essas terras são confiscadas pelo Estado sueco para a promoção de atividades econômicas extrativistas (principalmente mineração) em detrimento dos territórios dos povos originários. 

Quanto à entrada na OTAN, os Saami denunciam a possibilidade de que a coalizão tenha interesse em utilizar as suas terras para a condução de treinamentos e operações militares. Além de estimular o confisco de terras dos Saami, as atividades militares prejudicam o rebanho de renas, principal atividade econômica conduzida pelos nativos, a partir da qual se alimentam, produzem roupas e organizam seu comércio. Segundo Sara Anderson Ajnnak, do povo Saami, em entrevista ao monopólio de imprensa DW, isso se trataria somente de “uma nova forma de colonização”.

Crise do imperialismo

A adesão da Suécia à OTAN ocorre diante da atual e grave crise do imperialismo, momento em que as potências e superpotências têm buscado expandir a exploração e opressão sobre as colônias e semicolônias do mundo. Nesse sentido, os países imperialistas de segunda ordem (como a Suécia e a Finlândia) têm também avançado em sua militarização para cumprir suas necessidades imperialistas, fato que fica evidente também pelo aumento desaforado do orçamento militar desses países. 

Em 2022, a Suécia anunciou um aumento de aproximadamente 318 milhões de dólares com gastos em “defesa”, enquanto a Finlândia aumentou o seu orçamento de “defesa” em 2,2 bilhões de dólares. Para estes países, o momento atual, de maior rivalidade entre potências e superpotências, é ideal para o próprio crescimento a partir da conquista de semicolônias menos importantes na cadeia global de dominação. Por outro lado, para o Estados Unidos, a adesão também é fortuita, uma vez que garante um maior número de aliados (mesmo que aliados relativos, em constante conluio e pugna) na Europa.

Vale ressaltar também que, diferente do que é pregado pelos monopólios dos meios de comunicação, a adesão da Suécia à OTAN não significa uma “grande quebra da neutralidade militar” do país, uma vez que este integra a também imperialista Força Expedicionária Conjunta do Reino Unido (JEF), força militar criada em 2015 e dirigida pelo Reino Unido. A JEF, que reúne dez países (Reino Unido, Suécia, Finlândia, Dinamarca, Noruega, Estônia, Islândia, Letônia, Holanda e Lituânia), conduz diversas operações na região do Mar Báltico e tem como objetivo ser uma força militar internacional para atender aos interesses do Reino Unido e seus aliados em qualquer lugar do mundo ou atuar em nome de organizações internacionais como a ONU ou OTAN. Isto é, uma força expedicionária militar criada para intensificar a exploração e opressão dos povos oprimidos sob a forma de guerras imperialistas e garantir a hegemonia dos países que a compõem, principalmente o Reino Unido.

Nesse sentido, fica evidente, como já afirmado, a crescente militarização do continente europeu, reflexo da ofensiva imperialista como tentativa de barrar a crise geral sem precedentes de seu sistema em decomposição. Ofensiva essa contra a qual os povos do mundo têm oferecido resistência cada vez mais consciente e organizada.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin