PE: Mortes em meio a chuvas é mais um crime do velho Estado contra o povo

Moradores procuram pessoas soterradas durante chuvas em Pernambuco. Foto: Severino Soares

Desde o dia 25 de maio o estado de Pernambuco tem sido atingido por fortes chuvas. Até o dia 01/05 já haviam sido confirmados os números de 106 pessoas mortas, 10 desaparecidas e cerca de 6 mil desabrigadas. Enquanto isso, gerentes de turno que utilizam a situação para culpar uns aos outros são denunciados pelo povo trabalhador que protesta e denuncia como crime premeditado a tragédia em Recife.

As cidades mais atingidas pelo temporal e onde houveram mais mortes foram a capital Recife, e as cidades da região metropolitana, como: Jaboatão dos Guararapes, Olinda e Camaragibe. O bairro Jardim Monte Verde, na divisa dos municípios de Recife e Jaboatão dos Guararapes, foi o local que registrou mais mortes até o momento. Foram confirmadas 20 mortes na localidade.

Indignação toma forma de protesto

No dia 29/05, moradores da comunidade Bola de Ouro, em Jaboatão dos Guararapes, fizeram uma manifestação na altura do quilômetro 11 da BR-232. Com pneus incendiados, os trabalhadores bloquearam a pista para exigir a presença de militares do Corpo de Bombeiros para atuarem no resgate das vítimas de um deslizamento que estavam soterradas.

Durante a manifestação, agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) foram enviados ao local para reprimir os trabalhadores e liberar a via.

Em tais protestos e nas entrevistas concedidas aos jornais do monopólio de imprensa por pessoas que perderam parentes e casas nos deslizamentos, todas foram unânimes em apontar o descaso do governo do velho Estado como principal responsável pelos crimes cometidos.

"Na verdade, isso não é uma tragédia. Isso é uma chacina. Porque todos os anos isso acontece, sendo que não tinha acontecido ainda nessa proporção. E isso, infelizmente, está longe de mudar. Se o governo e a prefeitura fizessem alguma coisa, isso não aconteceria todos os anos. Todo ano é família enterrando entes queridos. Isso não muda." afirmou o mecânico Edson Souza, em entrevista ao monopólio de imprensa TV Jornal.

O trabalhador continuou denunciando as precárias condições de vida:

"O povo constrói casa em barreira, porque não tem onde morar. É a necessidade. O governo não dá suporte ao povo para uma moradia digna. Ainda tem gente que diz: 'É perigoso fazer casa em barreira, e o povo faz'. Ou paga o aluguel ou come, essa é a realidade do pobre", afirmou.

Edson é parente da jovem Taís Lucia Oliveira, de 22 anos, que morreu junto com sua filha Beatriz, de um ano, após o deslizamento de uma barreira no bairro Jardim Monte Verde.

Inimigos do povo tiram proveito de mortes

Em meio a gigantesca "tragédia" com famílias inteiras sendo dizimadas ou tendo suas casas completamente destruídas, guardiões do velho Estado estão lutando para pôr a culpa um no outro. No dia 30/05, o presidente Jair Bolsonaro foi a Recife. O capitão falastrão disse em entrevista coletiva que: "Infelizmente essas catástrofes acontecem, um país continental tem seus problemas” e comparou o que aconteceu em Recife aos casos ocorridos em Petrópolis, no sul da Bahia e no norte de Minas Gerais, onde milhares de pessoas também morreram ou perderam suas casas.

Bolsonaro também criticou o governador do estado, Paulo Câmara (PSB), pois, segundo ele, Câmara não teve a iniciativa de pedir ajuda ao governo federal. O presidente também disse hipocritamente que não iria politizar a questão, logo depois de dar a entender que o governador estava sendo omisso. Já Paulo Câmara disse que Bolsonaro em nenhum momento ligou para ele para discutir a questão e nem o convidou para se encontrar com a comitiva presidencial que foi ao estado.

Leia Também: O crime de Estado disfarçado de ‘desastre’

Fato é que tanto o governo federal, quanto o estadual já sabiam da intempérie, pois o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um alerta vermelho de fortes tempestades ainda no dia 27 de maio e mesmo assim nenhuma providência foi tomada para retirar as pessoas que moravam em áreas de risco de desabamento. Também nos dias anteriores ao temporal, a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) previu a chuva e divulgou alertas. 

Além da Apac, o Centro Nacional de Monitoramento de Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) e o próprio Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) possuem estudos que apontam que o Brasil tem mais de 8,2 milhões de residências em áreas de risco. Nada, porém, foi feito e a tragédia anunciada se concretizou uma vez mais.

Crime contra o povo

Tal “negligência” e omissão dos gerentes do velho Estado frente a certeza de deslizamento e inundações em áreas pobres, é mais um crime de genocídio contra o povo. Mesmo sabendo da condição precária das moradias e do risco constante de desabamento, nada é feito para dar lares dignos e seguros a famílias que moram em morros e encostas. Pelo contrário, os sucessivos governos de turno limitam-se a emitir alertas e abandonar as pessoas à própria sorte, com elas tendo que sair às pressas de suas residências, deixando todos os bens que conquistaram com suor e sangue para trás.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin