PA: Latifúndio incendeia casas, roças e pertences de famílias camponesas

No dia 11 de maio, cerca de dez pistoleiros invadiram a comunidade Lote 96 da Gleba Bacajá, em Anapu, no estado do Pará, onde vivem 54 famílias, e incendiaram duas residências de camponeses. Este ataque soma-se a pelo menos quatro outros incêndios criminosos perpetrados pelo latifúndio contra os camponeses nos últimos dois meses.

O ataque a Gleba Bacajá

Por volta das 11 horas da manhã, em duas picapes de cor prata, modelos Triton e Hilux, um bando encapuzado e fortemente armado após cortar as cercas que circundavam as terras camponesas, invadiu a comunidade do Lote 96. Afirmando serem policiais, os pistoleiros disseram portar uma ordem de despejo e deram 20 minutos para que as famílias saíssem das casas. 

As famílias ficaram cerca de uma hora e meia sob a mira das armas do bando paramilitar que afirmava cumprir a ordem de despejo inexistente. Crianças que filmavam a ação foram também atacadas. “Os meninos chegaram perto para filmar e eles [os pistoleiros] quebraram o celular; meteram a arma neles e quebraram o celular”, afirmou Erasmo Teófilo, liderança camponesa da comunidade em suas redes sociais. 

Os camponeses denunciaram também que duas viaturas adentraram a área durante o ataque e cruzaram com os invasores, mas nada fizeram. Posteriormente, Bergues Amorim Chaves, 36 anos, foi identificado como proprietário de uma das picapes e foi reconhecido por testemunhas.

A área em questão está localizada no sudoeste do Pará, às margens da rodovia Transamazônica e é terra pública. De acordo com denúncias dos camponeses, o local havia sido grilado durante o regime militar de 1964 pelo latifundiário Antônio Borges Peixoto, morto em abril deste ano, porém o mesmo teve o título de propriedade cancelado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em 2016.

Casas são destruídas por incêndios criminosos promovidos pelo latifúndio. Foto: Reprodução

Fogo se alastra

Este ataque ocorrido no Pará soma-se a ao menos quatro outras ações perpetradas pelo latifúndio contra os camponeses nos últimos dois meses. Esta velha arma de guerra, manejada pelos bandos paramilitares que agem a serviço do latifúndio, tem municiado as campanhas de terror contra as famílias que lutam pelo justo direito à terra. 

No ano de 2021, mais de 167 mil famílias camponesas foram alvos de ataques contra ocupação e posse, segundo o relatório Conflitos no Campo Brasil 2021, produzido pela Comissão Pastoral da Terra (CPT). Destes, a destruição de casas, pertences e roçados em 2021 afetou 18,4 mil famílias, um aumento de mais de 102% com relação aos registrados no ano anterior.

No dia 11 de abril, pistoleiros invadiram um assentamento na comunidade Gado Bravinho, no município Balsas, no Maranhão. A casa de Raimundo de Assis Pereira, liderança camponesa, foi incendiada e sua esposa foi agredida: “Bateram muito nela. Jogaram gasolina em nossa casa […] queimaram o arroz de nós comermos […] queimaram tudo: nossas roupas, cama lençol e rede […] muito tiro, muita cápsula de bala”, denunciou a liderança.

No dia 19/04 a aldeia Pagoa Hagoia do povo Suruí, situada em Rondolândia (Mato Grosso), foi invadida e três casas foram incendiadas. Entre elas estava a casa do cacique Matera Suruí.

Em 23/04 pistoleiros em dois carros invadiram a área Ramal da Parabrilho, em Cutias do Araguari, município de Macapá. Após ameaçar os camponeses, o bando paramilitar ateou fogo em uma das casas. Os pistoleiros naquela mesma semana haviam queimado mais quatro casas e ao encontrar os trabalhadores na estrada, os ameaçavam afirmando estar a mando do latifundiário que reivindicava a área. Eles alegavam ter ordens para assassinar os ocupantes.

No dia 03/05 latifundiários montaram um cerco à Ocupação Ana Primavesi, localizada no Distrito Federal. Os reacionários atearam fogo nas redondezas e contra as famílias, deixando alguns camponeses feridos. A ocupação teve início em 30/04 e em 04/05, o latifúndio teve o pedido de despejo negado pelo judiciário, pois aquela trata-se de terras da União.

Camponeses resistem

Em todos os casos acima relatados, não foi constatado que as tentativas de intimidação surtiram o efeito de expulsão. 

A ampla devastação promovida secularmente pelas classes dominantes em sua sanha de exploração, que atinge principalmente os camponeses, tenta conter a resposta das massas em luta. O caminho dos camponeses têm se empenhado na tomada de terras das mãos do latifúndio e na resistência empreendida pelos trabalhadores.

O que se gesta é uma situação explosiva, onde o fogo inimigo só tende a acender chamas incontroláveis pelos mesmos, onde no lugar de devastação, a luta camponesa fará nascer o novo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin