México: 5 mil migrantes marcham exigindo trânsito livre na fronteira sul

Imigrantes marcham exigindo vistos para ultrapassarem a fronteira sul do México. Foto: Ramón García/ CP

Cerca de 5 mil migrantes de países como Venezuela, Nicarágua, Honduras, El Salvador, Guatemala e Haiti marcharam pelo segundo dia consecutivo, em 27 de maio, na cidade mexicana de Tapachula, localizada na fronteira com a Guatemala. Eles exigiam a regularização dos seus documentos para que pudessem cruzar a fronteira-sul do México, rumo ao Estados Unidos (USA).

A marcha caminhou até a estação de imigração Siglo XXI, onde os manifestantes afirmaram que caso sua situação não seja regularizada, partirão em uma nova caravana até o USA. Essa seria a oitava caravana com milhares de imigrantes desde o início do ano.

O venezuelano Darwin Antonio afirma que eles procuram uma resolução para seus vistos a fim de avançar o mais rápido possível: "Não vamos desistir, estamos todos avançando e estamos procurando um sonho e uma melhor qualidade de vida; não há criminosos aqui, mas pessoas que querem uma nova oportunidade na vida", disse ele. 

Dias antes, em 10/05, cerca de 200 imigrantes bloquearam quatro pistas de uma rodovia em Tapachula exigindo os vistos para a sua circulação. Em 1° de abril, mais de 600 imigrantes enfrentaram a Guarda Nacional do México e quase conseguiram romper um cerco de policiais para que não avançassem a outras localidades.

Os imigrantes relatam que o governo de Tapachula não fornece qualquer tipo de assistência para eles. Há apenas a opção de dormir em hotéis pagos pelos próprios migrantes, ou na rua. A alimentação e suas necessidades básicas para a sobreviência não são atendidas pelo velho Estado mexicano. Da mesma forma, o imperialismo ianque mantém milhares de imigrantes impedidos de cruzar a fronteira, se abstendo de qualquer responsabilidade pelos imigrantes. Ao mesmo tempo, gasta bilhões de dólares em repressão contra os migrantes.

Imigrantes cortam via exigindo vistos para ultrapassarem a fronteira sul do México. Foto: EFE

Imigração aumenta diante da crise

A região está passando por um fluxo migratório recorde para o USA, com mais de 1,7 milhão de imigrantes sem documentos na fronteira entre o USA e o México no ano fiscal de 2021 (encerrado em 30 de setembro). Enquanto isso, o México deportou mais de 114 mil estrangeiros em 2021. As aplicações para vistos em Tapachula aumentaram em 300% de acordo com a Comissão Mexicana de Ajuda aos Refugiados (Comar).

Dessa forma, quase 651 pessoas morreram no ano de 2021 ao tentar cruzar a fronteira entre o México e o USA, o maior número averiguado pela Organização Internacional para as Migrações desde o início da pesquisa em 2014.

Isso se dá em meio a crise geral sem precedentes do imperialismo que, para impedir seu aprofundamento, dessangra cada vez mais os países do terceiro mundo aumentando a exploração e opressão, em particular os da América Latina, “quintal” da superpotência hegemônica única, o imperialismo ianque.

Os países de onde vêm o maior número desses imigrantes são, também, os mais pobres da América Latina. Isso ocorre enquanto o “desempenho econômico” da América Latina, de acordo com o Banco Mundial, está em um dos menores do mundo e a pobreza atingiu seu nível mais alto em décadas, subindo de 24 para 26,7%.

Tentando escapar dessa situação de miséria, essas massas migram para o USA, onde recebem os piores empregos e salários, resultando em salários ainda menores para o conjunto dos trabalhadores (migrantes e nativos).

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin