Índia: G.N. Saibaba hospitalizado após greve de fome

G.N. Saibaba. Foto: Shiv Pushpakar/The Wire

O professor G.N. Saibaba, preso político do velho Estado indiano, foi hospitalizado no dia 22 de maio após 4 dias de greve de fome. Saibaba iniciou uma greve de fome desde sua cela no dia 21 de maio, após o velho Estado indiano instalar uma câmera que filma toda sua cela e lhe negar o direito a uma garrafa de água de plástico. Com 90% dos movimentos comprometidos, Saibaba tem dificuldade para levantar garrafas e jarras de outros materiais.

G.N. Saibaba é integrante da Frente Democrática Revolucionária, um acadêmico universitário e intelectual progressista. Por conta de sua posição de apoiar o povo indiano e sua luta, sofre há anos uma perseguição por parte do velho Estado indiano. O povo indiano sofre as consequências de um regime atrasado de capitalismo burocrático, que explora aos camponeses impondo-os o regime de servidão, além de milhares de indianos que sofrem com o sistema de castas. Mesmo sob a repressão feroz do governo genocida de Narendra Modi, as massas indianas lutam a cada dia mais, elevando suas lutas recentemente com greves gerais em defesa dos mais básicos direitos. No país também se desenvolve uma Revolução de Nova Democracia através da Guerra Popular em que o Partido Comunista da Índia (Maoista) dirige o Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL). Segundo o Comitê de Defesa e Libertação do Dr. G.N. Saibaba, desde o terceiro dia de greve de fome, o professor está sofrendo com hemorragias e sua pele está ficando solta e distendendo-se dos músculos.

O intelectual democrático está encarcerado pelo velho Estado indiano desde 2014 acusado de possuir ligações com maoistas e com o “terrorismo”. Desde então, o velho Estado indiano já lhe negou diversos direitos, pelos quais o intelectual democrático lutou e conquistou por meio de outras greves de fome. Além da negação de direitos, os reacionários encarceraram Saibaba em uma cela “Anda” (que significa ovo em hindi), tipo de cela do sistema prisional indiano com tamanho reduzido e formato que favorece a vigilância, reservada a presos de segurança máxima. A tortura sistemática conduzida contra o professor G.N. Saibaba é ainda reforçada pelo fato de ser verão na Índia, com dias em que a temperatura ultrapassa os 45 graus. Contra essas violações, Saibaba declarou greve de fome mais uma vez, apesar de suas condições de saúde extremamente debilitadas. 

Leia também: Poema: “Mãe, não chores por mim” (2017), de G. N. Saibaba

Desde a prisão de Saibaba, um grupo de ativistas, jornalistas e acadêmicos em defesa de sua liberdade criaram a Comissão de Defesa e Libertação do Dr. G.N. Saibaba. O grupo, junto com a família do democrata, atuam na defesa dos direitos e da libertação do professor. No dia 21/05, quando foi declarada a greve de fome, a esposa e irmão de Saibaba enviaram uma carta ao Ministro do Interior de Maharashtra, estado onde se localiza a prisão em que o professor está encarcerado. 

“Na terça-feira (10/05/2022), as autoridades carcerárias fixaram uma câmera CCTV de amplo ângulo na frente da cela Anda dele [Saibaba], que pode capturar vídeo de toda a cela, incluindo assento de banheiro, local de banho e tudo na cela pequena. Assim, ele não pode usar o vaso sanitário para urinar ou nem mesmo tomar banho diante da câmera, pois a câmera grava o vídeo de tudo 24 horas por dia. Agora, como o Dr. G. N. Saibaba pode viver nestas circunstâncias? [...] É uma intimidação, uma violação, um insulto à sua integridade corporal. [...] Sob essas condições restritas, ele decidiu entrar em greve de fome indefinidamente, até a morte, ou até que a câmera seja removida e os administradores penitenciários responsáveis peçam desculpas por violar consciente e brutalmente os direitos naturais do corpo e os direitos previstos na Constituição”, denuncia a carta.

Como resultado da greve, Saibaba já garantiu vitórias parciais. Os capatazes da Prisão Central de Nagpur informaram que irão conceder a garrafa de água de plástico para Saibaba, mudar a direção da câmera e atender as outras exigências uma a uma, no “devido curso do tempo”. 

A Comissão de Defesa e Libertação do Dr. G.N. Saibaba, contudo, demanda atendimento imediato de todas as exigências pela vida e saúde e do intelectual democrático. Dentre as exigências, que fazem parte da campanha para libertação total de Saibaba, estão: a remoção total da câmera implantada, a transferência de Saibaba para outra prisão, a retirada de Saibaba da cela Anda e a liberdade condicional e o devido atendimento e tratamento médico para o professor.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin