Palestina: Protestos em Hebron contra alta nos preços

Palestinos protestam em Hebron. Foto: Mussa Qawasma/Reuters

No dia 5 de junho, centenas de palestinos protestaram em Hebron, Cisjordânia, contra a alta nos preços de itens alimentícios e energia na região. Os manifestantes acamparam no centro de Hebron, onde bloquearam as ruas com caminhões e exigiram que medidas fossem tomadas para a redução nos preços de itens básicos. Ao menos 11 pessoas foram detidas por várias horas durante os protestos.

“Nós exortamos que o governo intervenha para pôr um fim a este crescimento ensandecido dos preços. Se o governo não tiver capacidade ou vontade de intervir, nós exigiremos sua saída”, afirmou Rami Al-Jnaidi, ao monopólio de imprensa Reuters. Os manifestantes demandam que os impostos sobre itens básicos sejam reduzidos, como foi feito com o trigo. 

As massas da Palestina têm sofrido uma constante piora nas condições de vida, que se intensificou com o aumento dos preços das commodities após o início da guerra da Ucrânia. Desde março, a inflação no país subiu em 30%. Essa miséria crescente do povo palestino é resultado tanto da crise geral sem precedentes do imperialismo, bem como das políticas colonialistas de Israel e da falência da gerência oportunista da Autoridade Palestina (AP),  grupo que exerce uma administração limitada sobre a Palestina. 

O imperialismo sionista

O Estado sionista de Israel mantém uma política colonialista em relação à Palestina. Faz parte dessa política a ocupação de territórios palestinos, com construção de verdadeiros campos de concentração para o povo palestino nesses territórios, além do assassinato de milhares de palestinos e medidas econômicas que intensificam a miséria do povo.

Dentre as medidas econômicas colonialistas de Israel fascista, está a coleta mensal de impostos dos palestinos, que compõem uma receita de em torno de 900 milhões de shekels (em torno de R$ 1,3 bilhões). Esses impostos, por sua vez, correspondem a metade da renda da AP.

Desde 2018, uma lei permite que o Estado sionista de Israel calcule o quanto que a AP gastou, do seu orçamento, com o pagamento de “militantes” (a AP emprega em torno de 150 mil pessoas no território palestino da Cisjordânia e de Gaza) e deduza tal valor dos impostos coletados das massas palestinas. Em julho de 2021, Israel fascista reteve 180 milhões de dólares (em torno de R$ 884,8 milhões) coletados dos palestinos ao longo do ano de 2020. Mais recentemente, Shukri Bishara, Ministro das Finanças palestino, afirmou que Israel está retendo 500 milhões de dólares da receita tributária, o que equivale a R$ 2,4 bilhões.

Essa medida possibilita a transferência direta da renda de milhares de palestinos diretamente ao Estado sionista de Israel.

A oportunista “Autoridade Palestina”

A AP é um grupo fundado em 1994, durante os Acordos de Oslo (1993-1995), quando o Estado fascista de Israel e a conciliadora Organização para Libertação da Palestina (OLP), então encabeçada por Yasser Arafat se “comprometaram” a encerrar os conflitos na região e promover a “paz entre os dois povos”. Contudo, como evidencia as agressões, ocupações e carnificinas perpetradas por Israel fascista mesmo após os acordos, o “comprometimento com a paz” não passou de palavrório, significando na verdade a continuidade da política colonialista genocida de Israel fascista contra o povo palestino.

Enquanto Israel fascista segue com a mesma política colonial que aplicava antes dos acordos, a AP busca forçosamente convencer o povo palestino do falido caminho da “diplomacia internacional”. Para isso, reprime deliberadamente a justa rebelião popular na Palestina, com o encarceramento deliberado de jovens que se recusam a seguir o caminho pacífico contra os massacres de Israel sionista. Por 16 anos, a Autoridade Palestina não convoca eleições parlamentares e presidenciais na Palestina, temerosa de perder suas posições para grupos que, por suas ações de resistência, contam com maior apoio popular, como o Hamas.

Entre as políticas imperialistas de Israel e o oportunismo da AP, são as massas que ficam à mercê da crescente miséria decorrente da crise geral sem precedentes do imperialismo. As mobilizações dessas massas, por sua vez, mostram que a rebelião popular segue implacável, não cedendo nem ao imperialismo, nem ao oportunismo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin