RJ: Cansados de humilhação cotidiana, usuários dos trens levantam barricadas e destroem instalações

Centenas de trabalhadores protestam na estação de Gramacho após mais um dia de humilhações no transporte ferroviário. Foto: Reprodução.

No dia 22 de junho, trabalhadores que dependem do transporte ferroviário interurbano na região metropolitana do Rio de Janeiro se enfureceram com os atrasos e superlotação cotidianas e empreenderam um combativo protesto na estação de Gramacho. Trilhos foram bloqueados e cabines foram completamente destruídas pelas massas. 

O protesto começou por volta de 7h, após os passageiros ficarem 1h à espera de um trem para irem trabalhar. Revoltados com mais um dia de atraso, centenas de trabalhadores iniciaram a manifestação. Eles usaram troncos de árvores e outros entulhos para bloquear a linha férrea. Também destruíram cabines da estação e exigiram seu dinheiro de volta, já que não havia trens.

Por volta de 8h, agentes da Polícia Militar (PM) chegaram à estação para reprimir os trabalhadores após serem acionados pela Supervia. Os militares retiraram as barricadas, porém enfrentaram resistência dos trabalhadores que, a partir de então, começaram a ocupar a linha de trem.

"É a revolta do povo, hoje chegamos no nosso limite. Os atrasos constantes, as interrupções, a falta de comprometimento da SuperVia com os usuários chegou ao nosso limite. Nem para avisar com rapidez que não teria mais trem eles avisam. Pagamos passagem cara por um péssimo serviço. Todo dia o trem atrasa, de 40 em 40 minutos, e fica lotado para ir e para voltar. Ficamos 40 minutos à espera de um trem para Saracuruna na volta para casa num trecho que podemos fazer em 17 minutos. Isso é um absurdo!", relatou a trabalhadora Janete Monteiro, de 27 anos. A passageira tentava ir para o local de trabalho, na Praça da Bandeira, Zona Norte do Rio.

Na última semana, a SuperVia foi condenada pelo Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) a pagar uma multa de R$ 6,2 milhões, por conta de diversas irregularidades em estações e por oferecer um serviço de péssima qualidade aos usuários.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin