Peru: Pescadores e comerciantes protestam contra monopólio espanhol

Pescadores peruanos revoltados discutem com seguranças da embaixada da espanha. Foto: Thomson Reuters 2022

No dia 21/06, dezenas de comerciantes e pescadores do porto de Chancay protestaram em frente à embaixada espanhola em Lima, exigindo indenização pelos crimes cometidos pelo monopólio petrolífero espanhol Repsol, por um derramamento de óleo em janeiro que contaminou quilômetros de mar e praia na costa central do Peru.

Os manifestantes do porto de Chancay afirmam que o monopólio os excluiu de um programa de compensação econômica assinado com o governo pelo derramamento de mais de 10 mil barris de petróleo em uma área de 106 quilômetros quadrados.

"Nos abastecíamos com produtos claramente do Porto de Chancay que, como resultado desse derramamento, não conseguimos mais vender peixes, as pessoas não consomem produtos marinhos", disse Perla Zamudio, vendedora de peixes, ao jornal Voz de América.

Um grupo de pescadores afetados pelo derramamento de oleo protesta em 21 de junho de 2022.

Os sindicatos de pescadores e associações comerciais estimam que 3 mil pessoas perderam seus empregos devido ao derramamento.

Além de não pagar as indenizações, as massas afirmam que nem a empresa, nem o governo se mobilizaram para limpar as áreas afetadas pelo óleo tóxico, tarefa que está sendo realizada pelas próprias populações locais, muitas vezes sem proteção adequada.

Em janeiro, quando ocorreu o derramamento, milhares de pessoas marcharam pelas ruas de Lima para protestar contra o crime e centenas de pescadores realizavam protestos diários em frente à refinaria La Pampilla.

Empresa tenta enganar camponeses

Protesto realizado por pescadores em março deste ano. Foto: Martin Mejia / Associated Press

Em um protesto realizado no mesmo local em março, os camponeses tornaram público e rechaçaram um documento entregue pela empresa – que ela os coage a aceitar pela necessidade –, que constava que o acordo sobre a transação seria feito de forma “voluntária e extrajudicial”. Sendo “extrajudicial”, os camponeses não poderiam recorrer de forma alguma aos tribunais sobre a sua indenização e ação contra a empresa.

"No documento que nos dão há uma palavra que não entendemos bem, que é de dois gumes, diz 'transação' e algo mais, queremos que eles esclareçam, o que eles não fazem", acrescentou o pescador Mario Poma, que estava segurando uma placa que dizia "Repsol, por que você está abusando das minhas necessidades".

Imperialismo espanhol explora e oprime países latino-americanos

Morador retira óleo da praia após derrame. Foto: GEC

O caminho de destruição da Repsol na América Latina é longo e perpassa vários países. Além do crime mais recente no Peru, o monopólio espanhol foi responsável por, por exemplo, praticar, em conluio com o governo do ultrarreacionário Álvaro Uribe, terror contra comunidades camponesas na Colômbia, em Arauca, na fronteira com a Venezuela, onde tinha seus maiores campos de petróleo. 

Assim que a empresa demarcou seu interesse na região, camponeses que travassem luta contra a exploração do petróleo em suas terras eram presos ou assassinados. Além disso, militares do Exército reacionário eram destacados para realizar a segurança das instalações petrolíferas. Nessa época, a região registrou os maiores índices de “violência política” do país. A multinacional espanhola operava e opera até hoje na região em associação com a estatal Ecopetrol e a imperialista americana Oxy.

Além de seus impactos na Colômbia, o monopólio foi denunciado por operar em 17 reservas indígenas na Bolívia, de contaminar território mapuche na Argentina e território Huaorani no Equador, e de estender o projeto de gás Camisea por quatro áreas protegidas no Peru. 

A sua atuação no Peru, especificamente, gerava uma receita de quase 3 bilhões de euros para a empresa.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin