SP: Motoristas de ônibus realizam vitoriosa paralisação

Rodoviários votam pela greve durante assembleia da categoria. Foto: Reprodução

Motoristas de ônibus paralisaram o transporte rodoviário da maior metrópole da América Latina, São Paulo, no dia 29 de Junho. Cerca de 6.008 ônibus que atendem 675 linhas diurnas, além de 88 linhas noturnas, não saíram da garagem em meio a mais uma paralisação feita pelos trabalhadores para exigir condições dignas de trabalho. Devido a pressão dos rodoviários, as empresas do transporte e a prefeitura foram cumprir as reivindicações.

A decisão pela paralisação se deu após assembleia realizada no dia 28 de junho, em frente a sede do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (SindMotoristas), no bairro da Liberdade. A assembleia contou com a participação de 6 mil trabalhadores que aprovaram a paralisação, iniciada às 0h do dia 29/06.

As pautas da greve

Os trabalhadores decidiram pela greve como forma de luta para atender as seguintes reivindicações: hora de almoço remunerada, participação nos lucros e resultados (PLR), adequação de nomenclaturas e plano de carreiras do setor de manutenção, pagamento de 100% das horas extras e outros. Até a greve, as pautas eram sempre ignoradas pelas empresas.

“Já se passaram dois meses das nossas negociações e os patrões mostraram-se intransigentes, pedindo prazos, paciência e protelando decisões. A categoria está estafada dessa enrolação”, afirmou o presidente em exercício do sindicato, Valmir Santana da Paz (Sorriso).

Leia Também: SP: Motoristas e cobradores de ônibus fazem grande paralisação

Essa foi a segunda paralisação dos rodoviários paulistanos em um período de duas semanas. No dia 14/06 após um dia de paralisação, os trabalhadores arrancaram dos patrões direitos como o reajuste salarial imediato de 12,47%. Na paralisação do dia 29/06 conseguiram ampliar suas vitórias e conquistaram o restante dos direitos exigidos.

Para o sindicato, a greve foi a única saída para garantir os direitos dos trabalhadores. “O descaso do SPUrbannuss levou os trabalhadores a fazerem uso da greve, que é a nossa ferramenta de luta. Não tínhamos outro caminho diante de tanto impasse e intransigência”, explicou Sorriso.

‘Justiça’ e prefeito: inimigos dos trabalhadores

Em meio a greve e a luta contra as empresas de transporte, os trabalhadores também tiveram que enfrentar o velho Estado reacionário que através do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) atacou a luta dos rodoviários, considerando a greve “ilegal” e aplicando uma multa diária de R$ 100 mil ao Sindicato.

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), inimigo dos trabalhadores, buscou criminalizar os trabalhadores em greve alegando que eles eram “irresponsáveis" e  que estavam em “conluio com empresários”.

As acusações de Nunes foram respondidas pelo presidente do sindicato: “Primeiramente, cabe dizer que o prefeito tem agido covardemente, pois sempre terceiriza a sua responsabilidade em dialogar com o sindicato e reconhecer a essencialidade dos trabalhadores em transportes que estão legitimamente reivindicando os seus direitos”, afirmou.

Sorriso também apontou que o prefeito de São Paulo age com desprezo para com os trabalhadores do transporte, que compuseram uma das categorias que continuaram trabalhando em meio a pandemia no país: “Foram mais de 3 mil trabalhadores contaminados e centenas de mortos pela Covid-19. Hoje os trabalhadores que tanto se doaram pedem o mínimo de reconhecimento”, afirmou.

A vitoriosa greve ocorre em meio à crise geral do capitalismo burocrático em nosso país, em que o governo militar genocida de Bolsonaro e generais tenta a todo custo prevenir grandes levantamentos de massas.

Leia também: Editorial semanal – Maior desordem à vista

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin