Índia: EGPL aniquila três agentes da reação e realiza ataque a acampamento policial

Nos dias 21 e 23 de junho o Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL), dirigido pelo Partido Comunista da Índia (Maoista), impôs importantes baixas às forças de repressão do velho Estado indiano. Em 23/06, dois policiais da Força Armada de Chhattisgarh (CAF) ficaram feridos após um ataque contra um acampamento policial no distrito de Dantewada, em Chhattisgarh. Os maoistas se retiraram do local sem perdas. 

Já no dia 21/06, três membros da Força Policial da Reserva Central foram mortos em uma emboscada montada por um esquadrão de quadros do PCI (Maoista) em Bhainsadani, no distrito de Nuapada, em Odisha.

Os mortos eram dois assistentes de sub-inspetor e um policial que faziam parte de uma abertura de estrada na região florestal do distrito de Nuapada e a poucos quilômetros de Chhattisgarh, combatentes maoistas  atiraram contra eles.

Na Índia, a abertura de estradas e demais infraestruturas no campo servem não para trazer “melhorias”, mas principalmente para causar dano às populações locais e aprofundar a repressão ao povo em luta. No percurso dessas construções, centenas ou milhares de camponeses locais e povos tribais são despejados de suas terras e perdem o pouco que têm. Dessa forma, eles perdem suas terras e são obrigados a trabalhar como operários para esses mesmos monopólios de construção, ou têm de deixar o campo e ir para as cidades para lá viverem como indigentes e tentar arranjar emprego.

Além disso, é ampliado o controle da repressão do velho Estado sobre as áreas de campo com seguranças pagos (pistoleiros) e a abertura de novos acampamentos policiais que, sabendo da situação de miséria explosiva no campo indiano, procura reprimir as massas para que essas não tomem terras e evitar que se integrem ao elemento consciente que trava dura luta contra o velho Estado indiano, o latifúndio e os monopólios imperialistas e pela Revolução de Nova Democracia, o PCI (Maoista) e o seu exército do povo, o EGPL.

Foto: Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin