TO: Avás-Canoeiro denunciam falta de ensino para seus alunos

Crianças e adolescentes do povo indígena Avá-Canoeiro do Araguaia foram abandonados pela Secretaria Estadual de Educação de Tocantins e estão sem aulas há seis meses. A denúncia é de Kamutaja Silva Ãwa, uma das líderes do grupo.

Ela, que é formada em Pedagogia, disse ao AND: "Estamos revoltados com esta situação. É um descaso inaceitável. O que você faria se seu filho ficasse tanto tempo sem aula?"

O Estado de TO afirmou que é impossível realizar a contratação de 2 professores para a escola indígena devido às restrições do período eleitoral. “Nós repudiamos esta justificativa” – reagiu Kamutaja. “Foi sua inércia e lentidão que fez com que nossos estudantes ficassem sem nenhum acesso a educação” – rebateu.

A tribo já entrou com denúncia junto ao Ministério Público Federal.

Sobraram só 5 vivos

A escola fica na Ilha do Bananal, no acampamento provisório dos Avá chamado Itaro, e é considerada uma extensão da escola Inãwébohona, dos vizinhos indígenas Javaé.

São poucos estudantes (do Fundamental e Médio) mas para os Avá, escapados por pouco de uma extinção total nos anos 1970 por culpa da ditadura militar-civil, é como se fossem centenas ou milhares.

Conhecidos na literatura como um povo que historicamente preferiu a morte a se render e estabelecer contato com os colonizadores, os Ãwa (“gente”, “nós”, “povo”, em seu idioma) resistiram isolados até 1973. Depois de um forçado e violento contato, sobraram apenas cinco pessoas em 1976. Hoje são 38.  

Mata Azul

O acampamento Itaro é provisório porque, na realidade, o grupo é dono da Terra Indígena (TI) Taego Ãwa, porém não recebe autorização para entrar nela por estar na posse de outros ocupantes.

Localizada na região da Mata Azul, no município de Formoso do Araguaia (TO), a área tem cerca de 28 mil hectares. Com extensa documentação provando ser de ocupação tradicional do povo Ãwa, ela está sobreposta por fazendas e um assentamento da reforma agrária.

O processo de legalização, que já andava lentamente antes, agora parou de vez com o governo militar de Bolsonaro/generais. 

Foto: Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin