USA: Operação da SWAT deixa um morto e vários desabrigados

Brett Rosenau, jovem assassinado pela SWAT. Foto: Go Get Funding/People.com

No dia 7 de julho, uma operação da Armas e Táticas Especiais (SWAT na sigla em inglês) na cidade de Albuquerque, estado do Novo México, deixou vários moradores desabrigados e um adolescente morto ao incendiar uma casa durante uma perseguição. Como resposta, um protesto foi organizado pelos moradores no mesmo dia.

A ação terrorista da força de repressão do Estado reacionário ianque ocorreu durante uma perseguição atrás de Qiaunt Kelley, perseguido por roubos de carro e assalto à mão armada. Kelley estava conversando com Brett Rosenau, de 15 anos, em frente a casa de um amigo em comum dos dois, quando os policiais chegaram. Quiaunt correu para dentro da casa e Brett, desesperado, o seguiu.

As cenas que se seguiram foram verdadeiros atos de brutalidade e covardia por parte dos agentes da SWAT, força militar de manutenção da ordem de opressão e exploração sobre o povo pobre e preto no USA. Os agentes, sem nenhum conhecimento do interior da residência e possíveis materiais inflamáveis que lá poderiam haver, dispararam “diferentes tipos de munição” para dentro da casa, desde bombas de gás lacrimogêneo até sprays de pimenta. 

Os moradores denunciaram durante todo o tempo da operação que havia uma criança inocente no interior da casa, mas os apelos foram ignorados pelos assassinos da SWAT.

A operação de terror durou horas até o incêndio começar no interior da casa. Neste momento, os bombeiros foram acionados, mas foram bloqueados de entrar na casa pelos agentes de repressão, que seguiam afirmando que “havia um criminoso lá dentro”. Momentos depois, Kelley saiu e os bombeiros entraram, encontrando Rosenau morto. Autópsias posteriores confirmaram que o jovem morreu por inalação de fumaça.

Além da morte de Rosenau, os terroristas do aparato de repressão ianque deixaram a casa completamente destruída. “Eu não tenho nenhum lugar para ir agora, e eu não sei onde meu filho vai morar. Eu não sei onde minha mãe vai morar”, denunciou Deja, moradora da casa, ao monopólio de imprensa Source NM. “Ao final do dia, eles [os policiais] vão para suas casas, e minha tia Sundra não vai para a casa”, afirmou a sobrinha de Sundra Coleman, outra moradora da casa, também ao Source NM.

Casa queimada por agentes da SWAT. Foto: Roberto E. Rosales/The Albuquerque Journal/AP

Massas rechaçam violência policial

Ainda no dia 07/07, as massas de Albuquerque foram às ruas condenar o assassinato cometido pelos agentes da SWAT. Dezenas de manifestantes organizaram uma marcha pela cidade, na qual ergueram faixas e proclamaram gritos de ordem contra a violência policial no USA. “Uma criança preta de 15 anos. Eles [os policiais] não sabiam quem ele era. Poderia ser um menino de 9 anos de idade. Eles não ligaram. Eles usaram seus brinquedos. Eles queimaram uma casa”, denunciou o manifestante Clifton White.

Massas protestam em Albuquerque. Foto: Marisa Demarco/Source NM

No dia 11/07, outro protesto ocorreu, desta vez em frente à Universidade de Novo México, onde dezenas de manifestantes exigiram justiça por Brett Rosenau. “Minha pergunta para a APD [Polícia de Albuquerque]: as pessoas lhe falaram que havia uma criança lá. Por que vocês o deixaram queimar?”, questionou o cartaz de uma manifestante. 

Protesto em Albuquerque. Foto: Marisa Demarco/Source NM

O assassinato de Brett Rosenau é o segundo assassinato de um jovem preto cometido pela polícia ianque em menos de duas semanas, após o assassinato de Jayland Walker no dia 25/06. Esses assassinatos ocorrem como parte da brutal opressão perpetrada pelo Estado ianque, por meio das suas forças militares e auxiliares de repressão, contra as massas mais profundas do país, em especial ao povo preto e pobre.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin