Angola: Estudantes protestam contra aumento do fundo eleitoral

Marcha de estudantes angolanos em 2021. Foto: Daniel Vasconcelos/DW

Centenas de estudantes foram às ruas de Luanda, capital da Angola, na semana passada, para protestar contra o aumento do fundo eleitoral, agora em 1,2 bilhões de kwanzas (R$ 15,2 milhões) em meio à grave crise no país. Os estudantes denunciam que os bilhões foram concedidos aos partidos eleitoreiros em meio a um grave sucateamento da educação, que não é resolvido sob justificativa de “falta de verba”. 

Os estudantes se reuniram com cartazes em uma praça da capital para condenar o valor de 1,2 bilhões de kwanzas para as campanhas eleitorais dos diversos partidos eleitoreiros. Foi denunciado que, enquanto os políticos do velho Estado angolano concedem bilhões de kwanzas a si próprios, as escolas sofrem com falta de carteiras e bibliotecas. Os professores também reclamam de salas de aula superlotadas e baixos salários. Atualmente, o orçamento para educação no país é de 6,5%, mas o previsto para 2022 era de 20%.

O aumento do fundo eleitoral foi concedido após os partidos da “oposição” enviarem cartas ao presidente do país, João Lourenço, exigindo mais dinheiro. Esse fato levou os manifestantes a afirmarem que, enquanto os parlamentares lutam e se mobilizam para conseguir mais verba para seus partidos reacionários, nada fazem para aumentar o dinheiro dedicado ao povo. 

João Lourenço e a farsa eleitoral em Angola

Atualmente, Angola é presidida por João Lourenço, presidente reacionário filiado ao partido oportunista Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), antigo movimento de libertação nacional que na década de 1970 traiu aberta e vergonhosamente a causa do povo angolano, implementando um regime de opressão e exploração atendendo aos interesses de latifundiários e de grandes burgueses, a serviço do imperialismo. 

Apesar do MPLA estar no governo desde o retorno das eleições burguesas em Angola após o fim da guerra civil no país, em 1992, o partido oportunista – bem como toda a farsa eleitoral – conta com cada vez menos credibilidade das massas populares, que boicotam a farsa eleitoral do país. Em 2017, quando João Lourenço foi eleito, em torno de 43% do povo angolano se absteve das eleições.

De maneira não surpreendente, seu governo foi marcado por casos de corrupção, subserviência ao imperialismo, principalmente chinês, e diversos protestos populares, contra os quais João Lourenço moveu a mais dura repressão. Em janeiro de 2022, taxistas queimaram comitês do MPLA em uma justa rebelião contra a decisão do governo de diminuir a lotação de transportes, incluindo táxis. As forças de repressão do velho Estado angolano prenderam ao menos 33 manifestantes. Já em maio, a Polícia Nacional de Angola assassinou três operários que participaram de protestos contra a empresa imperialista chinesa China Ghezouba Group Company Limited.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin