RJ: Moradores do Complexo do Alemão protestam e denunciam terrorismo de Estado; veja o vídeo

Em protesto, moradores do Complexo do Alemão fecham a Estrada do Itararé. Foto: Banco de Dados AND

Na mesma manhã em que o Batalhão de Operações Especiais (Bope) e a Coordenardoria de Recursos Especiais (Core), das polícias Militar e Civil, realizavam a operação mais letal já realizada no Complexo do Alemão desde 2010, os moradores realizaram uma combativa manifestação denunciando o terrorismo a que foram submetidos. Mototaxistas se reuniram em passeata a partir das 10h30 percorrendo as principais ruas da região. Horas depois, no início da tarde, outro ato ocorreu. Com faixas, barricadas e palavras de ordem, os moradores denunciaram o Massacre do Alemão e exigiram justiça.

Confira a cobertura exclusiva feita pela equipe de reportagem de AND.

Enfrentando as ameaças dos policiais, os moradores fecharam a Estrada do Itararé com uma barricada de pneus em chamas e uma faixa que denunciava a violência policial com a frase Fora da favela polícias assassinas!. Tentando impedir o direito de manifestação, os policiais apontaram os fuzis e jogaram o caveirão para cima dos moradores, que não se intimidaram e prosseguiram com o ato.

Leia também: Policiais levam terror aos moradores do Complexo do Alemão com mortes, casas invadidas e violação de direitos

A manifestação passou em frente à Delegacia de Polícia e denunciou a ação genocida. Os manifestantes entoaram a palavra de ordem Chega de chacina, polícia assassina!

Em seguida, a manifestação se dirigiu até o alto do morro, onde outros moradores desde cedo retiravam os corpos dos mortos. Novamente, violações de direitos. Policiais ameaçavam atirar com tiros de fuzil os manifestantes e a equipe de reportagem de AND que acompanhava o resgate dos corpos ficou sob a mira dos agentes e também foram abordados de forma truculenta.

Moradores protestam contra violência policial. Foto: Banco de Dados AND

Policiais tentam apagar barricada levantada na Estradada do Itararé. Foto: Banco de Dados AND

Moradora é assassinada um dia depois

Após mais de 24h do início da Operação, na manhã de 22/07 mais uma moradora foi assassinada pelos agentes genocidas das forças policiais. Solange Mendes, trabalhadora de 49 anos, foi atingida por um policial na localidade da Caixa D'Água. A PM bandida, como sempre, negou o fato.

Na manhã do dia anterior, 21/07, já havia sido assassinada pelos policiais a trabalhadora e mãe Letícia Marinho de Salles, de 50 anos. Seu corpo será velado no sábado, 23/07, no cemitério São Francisco Xavier, no Caju. O sepultamento acontecerá às 11h30.

Rastro de sangue deixados pela PM assassina. Foto: Banco de Dados AND

Cláudio Castro: assassino e terrorista

Em entrevista coletiva, os comandantes das polícias militar e civil do Rio de Janeiro admitiram as ilegalidades ocorridas durante a Operação, dentre elas a invasão das residências dos moradores. A certeza da impunidade dos delinquentes fardados é o que motiva a continuidade dos massacres nas favelas. Em 14 meses, os militares reacionários já mataram mais de 70 pessoas.

Somente na região dos Complexos da Penha e do Alemão mais de 300 mil moradores das favelas e bairros próximos são vítimas das operações terroristas. As favelas de Manguinhos e Jacarezinho reúnem outros 90 mil habitantes que rotineiramente ficam reféns da violência policial. Estas quatro regiões registraram ao menos uma operação nos últimos três meses.

Em Manguinhos, moradores protestaram fechando a avenida Leopoldo Bulhões no dia 13 de julho, após a PM assassinar seis pessoas. Já no Jacarezinho, no dia 11 de maio, a Polícia Civil, a mesma que justificou a ação terrorista no Complexo do Alemão, destruiu um memorial feito pelos moradores para relembrar o massacre realizado um ano antes.

Após o massacre do dia 21 no Complexo do Alemão, Claudio Castro ultrapassou a marca dos 200 mortos em operações policiais. São 40 chacinas no total desde que assumiu, primeiro interinamente em agosto de 2020 e em seguida efetivado em abril de 2021. Castro foi eleito como vice do igualmente assassino e terrorista Wilson Witzel, que desde sua campanha eleitoral já havia anunciado a política genocida de “atirar na cabecinha” e “abater” todos que parecem uma ameaça aos policiais.

As operações seguirão sendo rechaçadas pelo povo das favelas do Rio de Janeiro. E a cada novo ataque covarde, cresce ainda mais a solidariedade de classe no Brasil e também internacionalmente.

Leia também: Alemanha: Revolucionários denunciam terrorismo de Estado contra as massas faveladas do Rio de Janeiro

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin