Mali: Combatentes muçulmanos atacam base militar

Militantes do JNIM no Mali Central. Foto: Long War Journal/Captura de Tela/al-Zallaqa

No dia 22 de julho, combatentes possivelmente ligados ao Grupo de Apoio ao Islã e aos Muçulmanos (Jama’at Nusrat al-Islam wal-Muslimin, JNIM), uma coalizão de forças de libertação nacional, atacaram o posto militar de Kati, próximo de Bamako, capital do país africano. Os combatentes usaram dois carros carregados de explosivos para realizar a ação. O ataque segue uma sequência de ataques realizados contra as forças coloniais, que já deixaram ao menos oito militares mortos.

Os combatentes chegaram na região em torno de 5 horas da manhã em dois veículos lotados de explosivos. A ação armada envolveu troca de tiros e explosão das bombas. Dois dos combatentes morreram, enquanto o número de soldados mortos ou feridos não foi divulgado.

No dia 21/07, também às 5 horas da manhã, combatentes atacaram um posto da Força Especial Antiterrorista (Forsat) na cidade de Kolokani, a 110 km de Bamako. Foram relatadas explosões, trocas de tiro e danos à infraestrutura do posto. Segundo o portal do grupo Crisis 24, é provável que tenha ocorrido baixas. O mesmo portal afirma é possível que os combatentes tenham tomado controle da cidade temporariamente, mas que a informação ainda está por ser confirmada. Outra ação armada foi realizada entre os dias 14/07 e 15/07, quando combatentes supostamente ligados ao JNIM aniquilaram seis militares reacionários e deixaram dois feridos.

O posto militar de Kati é uma das principais bases militares do país. Foi, a partir dela que, em agosto de 2020, militares reacionários comandados pelo general golpista Assimi Goïta realizaram um golpe de Estado no país. 

O imperialismo francês no Mali 

Militar reacionário francês patrulha Gao, no Leste do Mali. Foto: Thomas Coex/AFP

O Mali, atualmente, tem seu território dividido entre diferentes zonas com influência das superpotências imperialista USA e Rússia e também o imperialismo francês. Desde o golpe de Estado de 2020, Assimi Goïta, lacaio do imperialismo russo, tem cedido cada vez mais territórios ao imperialismo russo. A Rússia imperialista busca expulsar o imperialismo francês na região para estabelecer sua hegemonia no Mali.

O desenvolvimento da luta anti-imperialista no Mali passou por um salto a partir de 2012, quando, devido à brutal exploração e opressão das massas, esmagadas sob as três montanhas da semifeudalidade, capitalismo burocrático e imperialismo, uma grande rebelião popular se iniciou no país, na qual tomaram parte grupos islâmicos e minorias nacionais organizadas no Movimento Nacional para Libertação do Azawad (MNLA). 

Em março daquele ano, militares reacionários comandados por Amadou Sanogo e vinculados à outros setores das classes dominantes do Mali que estavam insatisfeitos com a forma que o então presidente Amadou Touré estava lidando com a rebelião, realizaram um golpe de Estado a fim de aplastar as massas em rebelião. Em maio, Dioncounda Traoré assumiu como presidente interino, cargo que ocuparia até julho de 2013, quando novas eleições foram realizadas e deram lugar a Ibrahim Keita, representante da grande burguesia compradora e lacaio do imperialismo francês. Seu governo deu prosseguimento à opressão e exploração brutal do povo malês.

Em 2013, insatisfeito com o combate às forças de libertação nacional no Mali, o imperialismo francês desatou uma guerra de agressão contra o país sob o pretexto de “combate ao terrorismo”. Foi nesse período que o MNLA capitulou em sua luta armada, assumindo o papel de lacaios do imperialismo e passando a lutar contra a resistência nacional, principalmente grupos islâmicos. A “Operação Serval”, nome dado à guerra de agressão, foi continuada posteriormente sob o nome de “Operação Barkhane”, que está em voga até hoje e se expandiu para englobar, além do Mali, países como Chade, Burkina Faso, Mauritânia e Níger. Desde o início da operação, as forças de libertação nacional desenvolvem-se, aumentando suas fileiras e realizando mais ações armadas.

Assimi Goïta: títere do imperialismo russo

Milicianos do Grupo Wagner, grupo paramilitar do imperialismo russo, são usados no combate às forças de libertação nacional da África. Foto: AP

Em 2020, em meio a imensos protestos contrários ao governo de Ibrahim Keita, marcado por esquemas de corrupção e nepotismo, militares putschistas comandados por Assimi Goïta aproveitaram da crise institucional e política no país e do sentimento anti-Keïta das massas para realizar um golpe de Estado. Desde que assumiu, Goïta tem se afastado do imperialismo francês e se aproximado do imperialismo russo, principalmente por meio de acordos com o Grupo Wagner, organização paramilitar ligada ao Estado russo. A estratégia de Goïta é, em uma manobra oportunista para aparentar-se como nacionalista, se afastar do imperialismo francês, já desprezado pelas massas, mas manter o país como colônia, desta vez do imperialismo russo.

Em 2021, após os massivos protestos de 2020 contra o imperialismo francês e contínua atuação armada dos grupos de libertação nacional, o Estado imperialista francês anunciou que reduziria, a partir de 2022, suas tropas estacionadas no Mali. De fato, desde fevereiro, sob massivos protestos de comemoração, as bases militares do imperialismo francês têm sido desativadas e as tropas reacionárias têm retornado à França. Contudo, Goïta, como fiel bonifrate do imperialismo russo, tem substituído as tropas francesas por tropas da superpotência Rússia. Já em janeiro de 2022, após as tropas francesas abandonarem a base de Timbuktu, tropas russas preencheram o vazio. Até 14 de abril de 2022, o número de tropas russas associadas ao grupo Wagner no Mali estava em torno de 1.000. Entre janeiro e abril de 2022, as tropas russas e malianas foram responsáveis pela morte de aproximadamente 456 civis.

Cabe ao povo do Mali não se deixar enganar pela troca de amos imperialistas, como quer Goïta, e elevar sua luta de libertação nacional, principalmente sob bandeiras verdadeiramente revolucionárias. Como afirma a revista Internacional Comunista, no texto “Imperialismo e Golpe de Estado na África”: “as massas estão, da cabeça aos pés, até os ossos, até o coração, imbuídas de ódio ao imperialismo. Elas estão se lançando ao combate. Elas estão se apressando a colocar as mãos em armas para que possam fazer um inferno flamejante para os imperialistas e seus lacaios. O problema é que [...] assim como foi o caso no Afeganistão, a luta das massas está sendo travada sob bandeiras reacionárias. A justa luta das massas está sendo enganada e elas acabarão sendo traídas pelos reacionários, enquanto não tiver a liderança do Partido Comunista”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin