Índia: PCI (Maoista) lança chamado para Semana dos Mártires

Combatentes no distrito Dantewada, em Chhattisgarh. Foto: Tribhuvan Tiwari/Outlook

O Comitê Central (CC) do Partido Comunista da Índia (Maoista) lançou, no dia 27 de maio, um chamado aos militantes do Partido, mandos e combatentes do Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL), organizações revolucionárias, trabalhadores, camponeses, estudantes, intelectuais e todo o povo oprimido a celebrar a Semana dos Mártires. O evento é organizado anualmente em todos os estados onde o Partido atua, incluindo Chhattisgarh, Telangana, Andhra Pradesh, Madhya Pradesh, Maharashtra, Odisha, Bengala Ocidental, e Jharkhand. No distrito de Mulugu, em Telangana, um dia antes do início das celebrações, que dão início em 28 de julho e vão até 3 de agosto, vários cartazes e panfletos convocando os moradores foram encontrados.

O comunicado chama a rememorar os heróis no espírito de seus sacrifícios com determinação revolucionária para derrotar as operações contrarrevolucionárias Samadhan e Prahar, que, por sua vez, são a continuação das práticas genocidas da operação “Caçada Verde”. A declaração celebra os homens e mulheres que deram suas vidas pela libertação dos povos oprimidos do país e do mundo, com destaque aos grandes dirigentes da Revolução Indiana, camaradas Charu Mazumdar e Kanhai Chatterjee, que em 2022 completam, respectivamente, 50 e 40 anos de suas quedas em combate.

O CC também presta homenagens à Chefatura do Partido Comunista do Peru (PCP) e da Revolução Peruana, o Presidente Gonzalo, e ao porta-voz do Novo Exército do Povo (NEP), o camarada Ka Oris. A declaração afirma: “Na ocasião, o CC presta humilde homenagem vermelha ao amado líder do povo mundial, o camarada Gonzalo; ao líder comunista das Filipinas, o camarada Ka Oris, e todos os heróis que deram suas vidas nos quatro movimentos revolucionários e movimentos de libertação nacional em todo o mundo.”.

O documento informa que 124 camaradas tombaram em combate no último ano. Durante este período, houve severos golpes da reação contra o Partido devido à cruel investida militar do regime reacionário e genocida encabeçado por Modi. Um exemplo recente e pérfido são os bombardeios aéreos massivos contra as massas em Chhattisgarh, em 15 de abril deste ano, quando foram utilizados mais de 50 drones. O CC denuncia: “O inimigo está fazendo preparações em larga escala com um plano concreto para nos eliminar até o final de 2022 através de ataques com drones baseados em informações.”. 

O CC celebra as valiosas vidas de serviços ao Partido dos camaradas Tapasda (membro do CC e secretário do Comitê Regional de Bengala Ocidental), Chintanda (membro do CC e do Comitê Regional de Bihar), Purnendu Shekhar Mukherjee (que foi membro do CC por um longo tempo), Akkiraju Haragopal (membro do CC e do Birô Político), Deepakda (militante do Partido), Rupeshda (secretário do Comitê Zonal Especial de Bihar Jharkhand e responsável pela Comissão Militar Zonal Especial), Nakul (militante comunista membro do  Comitê Zonal Norte de Bihar e do Comitê Zonal Especial 3U), Tala/Agni (membro do Comitê Zonal Especial Bihar-Nordeste), Aluri Lalita (responsável pela revista “Prabhat”, órgão oficial do Partido em Dandakaranya), Narmada (membro do Movimento Gadchiroli), Dappu Ramesh (artista ativista em Jananatyamandali) e Buddheswar (militante comunista).

A declaração também faz um traçado da história do PCI (Maoista). Formado com a unidade de duas frações do movimento comunista indiano, o Centro Comunista Maoista (CCM) e o Partido Comunista da Índia (Marxista-Leninista) - Guerra Popular, em 21 de setembro de 2004, o Partido identificou o camarada Charu Mazundar e o camarada Kanhai Chatterjee como fundadores e grandes dirigentes da Revolução Indiana. Ambos os dirigentes comunistas estabeleceram o prestígio da teoria através da prática revolucionária à luz do marxismo-leninismo-maoismo e abriram o caminho da Revolução de Nova Democracia.

Charu Mazundar e Kanhai Chatterjee. Foto: Banco de Dados AND

O grande dirigente comunista Charu Mazundar, após o histórico Levante Camponês Armado de Naxalbari em 1967, organizou a luta contra os revisionistas e oportunistas, que buscavam diminuir a importância e significado do movimento camponês para a Revolução Indiana. Determinante para o movimento comunista indiano, Mazundar foi influenciado pelo Partido Comunista da China (PCCh) e pelo grande chefe do proletariado internacional, o Presidente Mao Tsetung, que desatava dura luta contra o revisionismo kruchovista e iniciara um ano antes a Grande Revolução Cultural Proletária (GRCP). Nesse contexto, Mazumdar funda o Partido Comunista da Índia (Marxista-Leninista), e apoiando-se no movimento camponês na região de Naxalbari e no pensamento mao tsetung (como era denominado o maoísmo na época), delineia o caminho para a conquista do Poder na Índia, a Guerra Popular Prolongada. Foi chave para a formulação teórica e política do caminho para a Revolução de Nova Democracia na Índia. A partir de então, a classe operária atuará como dirigente da luta revolucionária, tendo o campesinato, principalmente pobre, como força principal, na grande Revolução Indiana.

Ao fazer uma análise da situação atual, a declaração afirma: “A guerra da Ucrânia provou mais uma vez que o imperialismo é guerra, fascismo, destruição, crise, desemprego, fome e morte.”.

O CC, por fim, chama a redobrar a consciência sobre os heróis da Revolução Indiana, expondo o programa da Semana dos Mártires como uma campanha para educar politicamente o povo a fim de derrotar os ataques da operação Samadhan-Prahar com o espírito dos grandes sacrifícios realizados.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin