Guiné: Massas não aceitam proibição de protestos e tomam as ruas contra juntar militar

Massas erguem barricadas em chamas contra regime militar e péssimas condições de vida no país. Foto: AFP

Manifestantes foram às ruas e ergueram barricadas em chamas em Conakry, capital de Guiné, no dia 28 de julho, para protestar contra o regime militar de Mamady Doumbouya e as miseráveis condições de vida no país. O protesto ocorreu mesmo com a proibição, imposta pelo velho Estado guineense, de qualquer tipo de manifestação popular. 12 policiais ficaram feridos como parte da resposta das massas à repressão desencadeada pelo velho Estado. Um manifestante foi assassinado pelas forças de repressão e dezenas ficaram feridos.

As ruas da cidade amanheceram com centenas de massas em rebelião e barricadas de pneus em chamas erguidas contra o regime militar de Doumbouya. As forças de repressão do velho Estado reprimiram os manifestantes com bombas de gás lacrimogêneo e tiros de armas de fogo. Em resposta  as massas arremessaram pedras, jogaram de volta as bombas de gás arremessadas pela polícia e ergueram novas barricadas com latas de lixo, paus e pedras.

Crise do capitalismo burocrático impõe miséria às massas 

O protesto do dia 28/07 faz parte de uma crescente rebelião popular no país africano. A Guiné, país de condição semi-colonial, é um dos países mais pobres do mundo. Em 2018, em torno de 43,7% da população do país estava em condição miserável, abaixo da chamada linha da pobreza. Apesar disso, o país possui uma das maiores reservas de bauxita do mundo – mineral essencial para a produção de alumínio –, além de grandes reservas de ouro e de ferro. 

Essas grandes reservas minerais do país foram secularmente saqueadas pelo imperialismo francês e, mais recentemente, pelo imperialismo chinês, que através do velho Estado burguês-latifundiário guineense, exporta as matérias-primas do país, impede o desenvolvimento da indústria nacional e endivida a nação a partir de empréstimos bilionários. Em 2017, a China concedeu um empréstimo de 20 bilhões de dólares em troca de concessões para exploração de bauxita. Em 2020, um consórcio de investidores chineses, singapurenses e franceses obteve uma concessão de 25 anos para exploração do mesmo mineral. Em torno de 14 empresas monopolistas chinesas, privadas e estatais, estão envolvidas em investimentos de bauxita na região. A única refinaria de bauxita no país também é de capital estrangeiro: é a Rusal, empresa monopolista russa.

Essa condição de semi-colônia impõe a mais profunda miséria às massas populares e beneficia o enriquecimento dos grandes monopólios imperialistas e da grande burguesia nativa. Contra essa miséria, as massas guineenses continuamente se levantam: em 2018, durante uma onda de protestos por aumento salarial para os professores, um policial foi aniquilado com uma pedrada na cabeça e diversas barricadas foram erguidas pela capital Conakry e diversas outras cidades importantes. O velho Estado guineense mobilizou milhares de tropas e tanques para reprimir as massas, deixando um rastro sanguinário de 11 manifestantes assassinados. 

Em outubro de 2019, se iniciou uma nova onda de protestos contra a fome, a miséria e após o então presidente, Alpha Condé, anunciar uma mudança constitucional que o permitiria tentar um novo mandato presidencial. A incansável mobilização e combatividade das massas durou por mais de um ano, mesmo com a brutal repressão desencadeada pelo velho Estado (entre outubro de 2019 e julho de 2020, ao menos 50 pessoas foram assassinadas em protestos pelas forças de repressão). 

Golpe militar aprofunda semi-colonialidade e repressão contra o povo

Em abril de 2021, aproveitando a instabilidade política no país e o profundo ódio das massas populares por Condé, o coronel Mamady Doumbouya liderou um golpe de Estado no país com o objetivo de reestruturar o velho Estado guineense, reimpulsionar o capitalismo burocrático e aplastrar a rebelião popular no país. 

Tendo assumido com mansas e falsas promessas de combater a corrupção, diminuir a pobreza e acabar com a repressão contra as massas, Doumbouya já mostrou diversas vezes seu verdadeiro caráter: corrupto, lacaio do imperialismo e inimigo do povo. 

Antes de realizar o golpe, Doumbouya havia trabalhado como mercenário para o imperialismo francês, tendo realizado missões imperialistas no Afeganistão, Costa do Marfim, Djibouti e República da África Central. O coronel reacionário voltou à Guiné em 2018, quando assumiu controle do Grupo de Forças Especiais, força de repressão que teve papel proeminente na repressão das massas durante os protestos contra o governo de Condé. 

Após assumir, Doumbouya foi enfático ao afirmar que os negócios imperialistas no país não seriam afetados. O coronel afirmou que os portos seriam abertos para que as exportações de minérios pudessem continuar. O caráter subserviente de Doumbouya foi confirmado por um gerente da empresa monopolista russa Rusal, que afirmou à AFP que “tudo está estável, os negócios estão bem”. 

O coronel reacionário tem, contudo, falhado na tarefa de aplastrar a rebelião popular no país. Apesar da covarde repressão desencadeada pelo velho Estado, com frequentes assassinatos de manifestantes durante protestos e proibição de manifestações, as massas seguem mobilizadas, frustrando cada plano reacionário de Mamady Doumbouya.

Em junho, após uma alta de 20% no preço dos combustíveis, protestos tomaram as ruas de Conakry contra a piora nas condições de vida das massas. O protesto foi considerado o maior desde que o coronel reacionário Mamady Doumbouya assumiu o velho Estado a partir de um golpe militar. Um manifestante foi morto pelas forças repressivas do velho Estado, desencadeando a fúria popular das massas, que respondeu à repressão com arremessos de pedras.

Já no dia 05/07, 17 policiais ficaram feridos após uma manifestação que ocorreu em Conakry. Além dos confrontos com as assassinas forças de repressão do país, as massas ergueram barricadas com latas de lixo e pneus em chamas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin