Editorial semanal - Os ventos do leste na América Latina

O diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o Hemisfério Ocidental, Ilan Goldfajn, constatou um fato: “Os ventos estão mudando de direção na América Latina”.

O pessimismo do autarca, que é brasileiro e já foi presidente do Banco Central, se justifica: “Vamos ter aperto das condições internacionais, com o Estados Unidos subindo a taxa de juros. Isso significa que o fluxo de capital diminui para a região [América Latina] e que o dólar fica mais forte. Temos uma revisão de crescimento para o USA para 1% em 2023 (antes, a projeção era de 1,7%). Esse crescimento menor do USA, a China e a Europa também crescendo menos, significa que a região deve, daqui para frente, ter uma desaceleração”. Atemorizado, como porta-voz da reação, diante da crise que se prenuncia e das tendentes consequências políticas, ele assevera: “Tem de olhar com cuidado para a frente”.

Na entrevista, concedida a outro porta-voz da grande burguesia local, jornal O Estado de S. Paulo, seu prognóstico sombrio representa bem a situação atual no mundo e, em especial, na América Latina.

Trata-se de momento em que se ultimam os preparativos para enfrentar uma nova crise geral cíclica de superprodução de mercadorias e capitais, que já se avoluma na superpotência hegemônica única (o imperialismo ianque). Nova crise, apenas dois anos e poucos meses depois do início da pandemia de Covid-19 que já havia precipitado a paralisação global da produção e circulação e, portanto, atuado como válvula de escape, salvando o sistema de um estouro desastroso da pressão que a crise acumulara durante anos.

No Brasil, nos marcos dessa situação internacional, a crise do sistema político de governo e a crise de decomposição do capitalismo burocrático no país se retroalimentam mutuamente. O esbanjamento de Bolsonaro na criação de gastos orçamentários obrigatórios, como os auxílios com fim exclusivamente eleitoral, lançou às cucuias a “regra de ouro” da oligarquia financeira, o teto de gastos. Como disse o próprio mandatário fanfarrão: ele não pode “entregar o tanque cheio” para o próximo governo de turno. Entregará, isso sim, uma bomba-relógio, ainda que seja ele mesmo o cabeça do próximo governo. A crise econômica é inadministrável a curto prazo, e se torna cada vez mais, quanto mais se aprofunda a divisão das classes dominantes locais, suas frações e respectivos grupos de poder reacionários.

O subcontinente, onde convergem a crise crônica de décadas com saltos agudos e um longo aprendizado das massas populares do seu padecimento sob a opressão e exploração da velha e corrupta democracia – feita de oportunismo, do eleitoreiro mais descarado ao pretenso “radical” –, está, cada vez mais, passando ao centro da crise de dominação do imperialismo ianque. Isto faz da América Latina o cenário que está se convertendo rapidamente no elo mais débil, dentre outros, da cadeia mundial imperialista. Nele as forças democráticas e revolucionárias estão crescentemente fazendo sérios preparativos para os embates violentos da luta de classes que se avizinham. Ao mesmo tempo, o Brasil se destaca, passo a passo, deslocando-se ao epicentro das desordens mundiais.

O grande Timoneiro, Presidente Mao Tsetung, frente aos males e horrores que o imperialismo provoca e à resistência incansável dos povos oprimidos, afirmou que a lei do imperialismo é provocar distúrbios e fracassar, voltar a provocar distúrbios e fracassar outra vez, até ser varrido definitivamente da face da Terra; e que a lei do povo é lutar e fracassar, voltar a lutar e fracassar outra vez, até triunfar definitivamente. Vaticinou, assim, que “o vento do leste prevalecerá sobre o vento do oeste”. Agora, prenunciam-se grandes tempestades, novas e grandiosas jornadas de lutas populares e revolucionárias que, depois das desordens, se porá de pé uma nova grande ordem.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin