PA: Dirigente Camponês da retomada da Fazenda Santa Lúcia em Pau D’Arco é assassinado

A- A A+

Na noite do dia 07 de julho mais um camponês foi morto na luta pelas terras do latifúndio Santa Lúcia, em Pau D’Arco, Sul do Pará. Quase um mês e meio após a bárbara Chacina de Pau D’Arco, Rosenildo, de 44 anos, dirigente camponês do acampamento da retomada da Fazenda Santa Lúcia, foi morto com três tiros na cabeça por volta das 22h da última sexta-feira (07/07).

Após a Chacina que chocou o país e o mundo – promovida por policiais da Delegacia especializada em conflitos agrários juntamente com pistoleiros de “empresa de segurança” da região – e que assassinou 10 camponeses em 24 de maio, os familiares das vítimas e mais dezenas de outras famílias reocuparam, em 13 de junho, as terras de Santa Lúcia com o apoio da Liga dos Camponeses Pobres.

Rosenildo, conhecido por todos de Negro, era uma liderança camponesa da comissão que coordenava o acampamento após a retomada e continuava lutando pelo direito à terra.

Conforme informações preliminares enviadas a Redação de AND, Rosenildo e outros três dirigentes do acampamento estavam ameaçados de morte. Após receber a informação sobre a ameaça, Rosenildo se deslocou para a cidade de Rio Maria, a 61km de distância do município de Pau D’Arco, para passar o fim de semana fora do acampamento. Em Rio Maria, Rosenildo se reuniria com a Liga dos Camponeses Pobres do Sul do Pará, que tem prestado ativo apoio aos camponeses da região, para decidir que medidas iriam tomar contra as perseguições e ameaças do latifúndio.

O camponês foi assassinado com três disparos de arma de fogo na cabeça por volta das 22 horas. No dia anterior, veículos suspeitos passaram próximo ao acampamento à procura de Rosenildo.

Ainda segundo informações da Liga dos Camponeses Pobres do Sul do Pará, Rosenildo havia feito diversas denúncias das perseguições contra o acampamento e das frequentes rondas intimidatórias de pistoleiros e da polícia da região.

Organizações e movimentos populares já estão se mobilizando para exigir uma ação urgente do Estado sobre o caso.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza