Alemanha: Milhares enfrentam a repressão durante o G20

Nem todo o aparto de guerra, nem o clima de terror perpetrados pelo imperialismo Alemão intimidaram os milhares manifestantes que tomaram as ruas da cidade de Hamburgo, Alemanha, neste dia 06 de junho em um vigoroso protesto antiimperialista.
A massiva manifestação enfrentou a repressão durante toda tarde e noite da sexta-feira, um dia antes do início da reunião da cúpula do G-20, sediada na cidade de Hamburgo. Participarão da reunião, chefes das principais potências imperialistas, dentre eles os imperialismos ianque e russo, além de gerentes de semi-colonias estratégicas. 

O grande protesto começou no Mercado de Peixe (Fischmarkt) de Hamburgo – Centro da cidade, às margens do Rio Elba – e se dirigiu para o Centro de Congressos, local onde será realizada reunião da cúpula, próximo à Universidade de Hamburgo.
Os cerca de 20 mil policiais enviados de várias partes da Alemanha para reprimir as manifestações bloquearam inúmeras ruas e avenidas, promovendo um verdadeiro estado de sítio na cidade. Também fizeram uso de spray de pimenta, cassetetes e canhões de água contra os manifestantes que responderam com fogos de artifício, bombas de fumaça e garrafas. Lixeiras foram incendiadas e barricadas erguidas no bairro de Sternschanze, próximo ao conhecido centro cultural popular ‘Rote Flora’.
O monopólio da imprensa alemã também registrou enfrentamentos entre as massas e as forças de repressão policial nos bairros de St. Pauli e Altona. Vários carros foram incendiados.

Como resultado dos confrontos mais de 50 policiais ficaram feridos, sendo 3 deles hospitalizados.
Este foi só o início de uma série de mais de 30 manifestações programadas durante o evento e que deverão reunir mais de 100 mil pessoas.

Ataques da reação não detém a luta popular
Na semana que antecedeu o início do G20, policiais promoveram uma campanha de cerco e repressão na cidade, atacando os acampamentos de ativistas contra o G20, que se multiplicaram por Hamburgo. Conforme denunciou o sítio Dem Volke Dienen(Servir ao Povo, em alemão): “Na noite de 02/07 a polícia destruiu um acampamento de protesto legalizado em Hamburgo. ‘A polícia de Hamburgo impediu uma reunião anunciada e confirmada legalmente e se moveu claramente para um terreno sem lei’, afirmou em comunicado o Grupo Preparatório dos ‘Acampamentos Anti-capitalistas’. Tendas já haviam sido montadas, quando centenas de policiais cercaram o acampamento para removê-lo brutalmente. Fizeram uso de spray de pimenta e feriram alguns adversários do G20!” E conclui: “Tais tentativas de intimidação da burguesia alemã, não poderão impedir as forças revolucionárias de promover um protesto belicoso, combativo e exitoso contra o G20!”

Declaração convoca organizações à cerrarem fileiras contra o imperialismo
Em meio às mobilizações contra o G20, a Liga Antiimperialista (composta por várias organizações comunistas e antiimperialistas), na França, lançou a declaração “Combater o imperialismo e seus lacaios: lutar e resistir à cúpula do G20 em Hamburgo”, como iniciativa para formar uma unidade antiimperialista durante os dias do evento e a ação contra a cúpula do G-20. Reproduzimos a seguir  alguns trechos da declaração.

“A cúpula do G-20 em Hamburgo, que se realizará em julho deste ano, contará com massiva resistência. Os manifestantes e as manifestantes toda a República Federal da Alemanha (RFA) expressarão sua ira e rechaço na reunião dos piores assassinos e ladrões do mundo de maneiras diferentes, juntamente com pessoas de toda a Europa e outras partes do mundo – e isso é bom. Vamos tomar parte nesta luta a fim de enviar uma mensagem clara à classe operária da Alemanha, assim como para os oprimidos e explorados em todo o mundo, juntamente com outras forças revolucionárias e anti-imperialistas consistentes. Mesmo aqui, os imperialistas e seus lacaios não escaparão. Nós não vamos deixá-los em paz e seu sonho de uma área de remanso tranquilo vai se transformar em cinzas!” […]
“Em meio às várias formas de resistência, vamos lutar para enviar uma mensagem clara, internacionalista e revolucionária para aqueles que lutam contra o imperialismo em todo o mundo: Estamos ao seu lado, sua luta é a nossa luta! Enviamos esta mensagem para os camponeses pobres no Brasil, que estão dando suas vidas para desenvolver uma grande revolução; Nós enviamos esta mensagem a todos aqueles que lutam contra a agressão imperialista no Curdistão, Síria e Iraque; enviamos esta mensagem aos companheiros que dão suas vidas nas guerras populares do Peru, Turquia, Índia e Filipinas, a fim de levar a revolução até o fim; Nós enviar esta mensagem a todos aqueles que carregam a bandeira da resistência contra o genocídio e repressão draconiana do regime de Erdogan na Turquia; enviamos esta mensagem para aqueles que carregam a bandeira da rebelião nas masmorras da contra-revolução em todo o mundo, nós enviamos esta mensagem para os comunistas e revolucionários, que, apesar de todas as diferenças estão lutando juntos nos países imperialistas para destruir a besta imperialista.
Vamos fazer o nosso dever de casa junto com todos aqueles que se rebelam, portanto, contra este. Convidamos todos aqueles que querem fazê-lo a unir forças.

Abaixo o imperialismo e seus lacaios!

Rebelar-se é justo!

Viva o internacionalismo proletário!

Viva o comunismo!”

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro