PA: Santa Lúcia é dos camponeses – situação atual da retomada de Pau D’Arco

No dia 6 de julho, militantes da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) e familiares das vítimas da Chacina de Pau D’Arco estiveram presentes na redação de AND, ocasião em que concederam-nos com exclusividade entrevista exclusiva, na qual relataram a situação da retomada da Fazenda Santa Lúcia, a persistência das perseguições e ameaças de latifundiários e seus bandos de pistoleiros e policiais.

 

Um dia após o ato público de Lançamento do filme ‘Terra e Sangue’, eles também falaram sobre a importância dos eventos de solidariedade que estão ocorrendo por todo o país em apoio às famílias que seguem a luta dos seus companheiros e companheiras assassinados pelo velho Estado burguês-latifundiário. Reproduzimos a seguir a primeira parte desta entrevista. 

O prosseguimento da luta

Pelé, liderança camponesa da LCP do Pará e Tocantins, relatou a importância da retomada da Fazenda Santa Lúcia e como tem sido a organização do acampamento.

– Ocupamos a Fazenda Santa Lúcia. Hoje temos lá umas 120 famílias e a proposta da área é para 210 famílias que cabem dentro daquela área.  Vítimas, viúvas, filho que perdeu o pai, todos hoje se encontram no acampamento. Estão mostrando que não desanimaram, não desistiram da terra.

O dirigente camponês afirmou que as famílias estão dispostas a negociação com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para que este regularize as terras em favor dos camponeses. Mas, se o órgão do velho Estado não agir, os camponeses irão realizar a distribuição das terras por conta própria.

– Demos tempo ao governo, mas se não resolver rapidamente, o nosso plano é colocar cada um nos seus lotes, para produzir, ter a sua roça de produção. E prosseguiu: – Nós sabemos que o país não tem uma reforma agrária, o povo entra na terra é na marra.

A ação audaz das massas camponesas de retomarem a Fazenda Santa Lúcia forçou o Incra a se posicionar sobre a situação legal das terras.

– Aconteceu o massacre no dia 24 [de maio]. No dia 27 [de maio] cobramos o Incra. Nós da Liga fizemos um compromisso, a Fazenda Santa Lúcia tem que voltar para as mãos dos camponeses. Nós levamos o Incra para o município de Redenção e discutimos a pauta e onde o próprio Incra colocou que lá era prioridade. Ele [o Incra] ficou de fazer a cadeia nominal [1] para ver se a fazenda tinha documento ou não. Se ela tivesse documento o Incra ficou de comprar. Então ficou marcado uma reunião no dia 7 deste mês de julho, mas ele [o Incra] não está cumprindo com a palavra. Então nossa proposta para os camponeses é, se o Incra não cumprir o papel, nós vamos fazer ela na marra, vamos ocupar a BR e cada um ir para a sua parcela, seu lote no Corte Popular – afirmou Pelé.

As terras do latifúndio Santa Lúcia já foram alvo de negociação com o Incra no final do ano 2015, quando o instituto tentou comprá-las por R$ 21,9 milhões. O ouvidor agrário regional do Incra em Marabá, Wellington Bezerra da Silva, revelou, em entrevista ao jornal Amazônia Real, que, naquele ano, a família de Honorato Babinski Filho não aceitou a proposta e fez uma contraproposta de R$ 22,6 milhões, mas acabou pedindo o arquivamento do processo administrativo sem dar uma explicação antes mesmo do Incra analisar esta contraproposta em Brasília.

 

Nota:

1- Levantamento feito junto ao Cartório de Registro de Imóveis da relação dos proprietários de determinado imóvel rural desde a titulação original até o último dono (atual proprietário).

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin