Gabriel Pimenta: Em memória do incansável advogado do povo

A- A A+
 

 

Gabriel Pimenta, advogado do povo

 

Hoje 18 de julho deste ano, completam-se 35 anos do covarde assassinato de Gabriel Pimenta, abnegado advogado popular, ardoroso defensor dos camponeses, inimigo inconciliável dos latifundiários e grileiros e militante da causa da libertação de nosso povo.

No início da década de 1980, Gabriel Sales Pimenta, formado em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), mudou-se de Juiz de Fora (MG) para Marabá (PA), onde se integrou a luta dos camponeses pela posse da terra. Trabalhou incansavelmente na defesa e organização dos trabalhadores rurais, colaborando na criação de sindicatos e associações. Foi representante legal do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Marabá e um dos fundadores da Associação Nacional dos Advogados dos Trabalhadores da Agricultura.

Nessa época, cerca de 160 famílias lutavam pela posse das terras da fazenda Mãe Maria, que ocupavam há mais de vinte anos, pretensamente do latifundiário Manuel Cardoso Neto, conhecido como “Nelito”, irmão do ex-gerente estadual de Minas Gerais, Newton Cardoso.

Gabriel Pimenta defendeu juridicamente a luta dos posseiros e foi o primeiro advogado a ganhar uma causa no judiciário em favor dos camponeses no conflitante sul do Pará, o que contrariou os interesses de latifundiários locais. Pimenta passou a sofrer constantes ameaças de morte.

 

 



 

No dia 18 de julho de 1982, em Marabá, o advogado do povo foi assassinado com três tiros de revólver nas costas, disparados a curta distância pelo pistoleiro José Crescêncio de Oliveira, contratado pelo chefe de pistolagem José Pereira Nóbrega, sócio de Nelito. Gabriel Pimenta tinha 27 anos de idade.

O processo judicial do assassinato de Gabriel Pimenta passou por diferentes varas e juízes, se arrastando ao longo das décadas. Nelito ficou preso apenas um mês e José Pereira Nóbrega ficou preso por apenas dez dias. Em 8 de maio de 2006, os criminosos foram “premiados” pelo judiciário com a prescrição do crime. Novamente a impunidade quando se trata de crimes praticados por latifundiários contra o povo, expressão clara do caráter de classe burguês-latifundiário do velho Estado e seu judiciário.

Passados 35 anos da morte de Gabriel Pimenta, o povo não esquece o seu herói. Em Marabá, um bairro do município leva o nome do advogado do povo, surgido após uma ocupação de terrenos. Em Conceição do Araguaia, camponeses, organizados pela LCP do Pará e Tocantins, tomaram as terras dos latifúndios Capivara, Talismã e Jacutinga, que hoje integram a Área Revolucionária Gabriel Pimenta. Como destacamos em nossa edição nº 30 de AND: “Se a justiça do latifúndio jamais irá punir seus adeptos, a justiça popular já começa a vingá-lo. A vida de Gabriel Pimenta será sempre lembrada nos mais distantes rincões do país, através do seu próprio exemplo: na luta popular cotidiana, principalmente a luta pela destruição total do latifúndio”.



Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja