RO: Repúdio à prisão de 48 camponeses e a difamação da LCP

A- A A+

 

Reproduzimos nota da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) de Rondônia e Amazônia Ocidental sobre a megaoperação policial realizada no dia 17 de julho a mando do gerenciamento estadual de Confúcio Moura/PMDB e do comandante-geral da Polícia Militar de Rondônia, Ênedy Dias de Araújo, na Fazenda Paraíso, município de Cujubim, que resultou na prisão de 48 camponeses e em uma intensa e odiosa campanha de criminalização da LCP e de seus militantes no monopólio de imprensa do estado.

Conluio entre latifúndio, velho Estado e monopólio de imprensa atacam e criminalizam LCP. Foto ilustrativa.

Escrito por LCP de Rondônia e Amazônia Ocidental

 

No dia 17 de julho, um grande número de policiais fortemente armados e utilizando helicóptero prendeu cerca de 48 pessoas que aparentemente faziam parte do acampamento Enilson Ribeiro 2, que reivindicava as terras da fazenda Paraíso, localizada no km 29 da linha MC-07, em Cujubim. Tal operação foi autorizada e dirigida pelo comandante da pm Enedy, antigo perseguidor do povo e da LCP - Liga dos Camponeses Pobres.

A imprensa lixo desatou uma vez mais campanha de criminalização contra os camponeses e a LCP. Pululam na internet artigos sensacionalistas com títulos como: “Armados com fuzis, invasores trocam tiros com a polícia após invadir e destruir Fazenda”, “LCP troca tiros com a Polícia Militar” , “Os terroristas da LCP atacam”, “A guerrilha voltou a atacar”. Também acusam a LCP de fazer reféns, agressão, usar mulheres e crianças como escudo, etc.

Todas acusações mil vezes requentadas e vomitadas pela imprensa lixo, mentirosa, porta voz da polícia e do latifúndio. Tais acusações são na verdade tentativas de atacar a LCP, imputando crimes, para desmoralizar e isolar o movimento, jogando-o contra a opinião pública, com objetivo de incrementar ainda mais a repressão e os assassinatos.

A versão mentirosa do tal confronto armado, cai por terra pelas próprias imagens divulgadas por um site policial. O que se vê são policiais disparando contra a mata e barulho de fogos de artifício. Onde estão os mortos e feridos do enfrentamento? Onde estão as viaturas crivadas de bala? Onde estão os fuzis e armas de grosso calibre a não ser nas mãos dos policiais e nas manchetes dos jornalecos?

E a título de comparação, quando a polícia realmente trocou tiro com um bando de guaxebas* na fazenda Tucumã, ano passado, prendeu um grupo de pistoleiros com verdadeiro arsenal de guerra que antes havia assassinado e queimado 2 jovens, não se fez alarde sobre isso e ainda facilitou a fuga de Moisés, policial guaxeba que chefiava os pistoleiros a mando do fazendeiro e que recentemente comandou a chacina de Colniza, matando 9 camponeses. Posteriormente os demais pistoleiros presos foram soltos. Como sempre dois pesos, duas medidas.

Repudiamos as tentativas de criminalizar a luta pela terra!

Repudiamos todas as tentativas de atacar, difamar e criminalizar a Liga dos Camponeses Pobres!

Repudiamos a onda de perseguição e assassinatos sistemáticos a lideranças camponesas cometidos por bandos armados com a cobertura ou atuação direta de policiais!

Repudiamos a ação da polícia do fascista Enedy, que desde que assumiu o comando só fez aumentar a perseguição, as prisões, abusos, despejos e assassinatos de camponeses!

Repudiamos as armações feitas pelo latifúndio que cria e financia bandos armados para assassinar, cometer toda sorte de abusos e crimes, e ainda jogar a responsabilidade nas costas dos camponeses!

Reiteramos nosso compromisso e apoio a luta pela destruição do latifúndio e conquista da terra! E conclamamos apoio e solidariedade aos camponeses presos!

 

O povo quer terra, não repressão!

Viva a Revolução Agrária!

LCP – Liga dos Camponeses Pobres de Rondônia e Amazônia Ocidental

 

Nota:

* Guaxeba: termo popular utilizado para se referir a pistoleiro.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza