Michel Temer não demarcou nenhuma terra indígena

A- A A+
Terras indígenas declaradas e homologadas por gerente de turno

 

Michel Temer/PMDB, o cadáver político insepulto, não demarcou nenhuma terra indígena desde que assumiu a gerência do velho Estado burguês-latifundiário. Desde que assumiu o ‘governo’ federal interinamente em 12 de maio de 2016 e oficialmente em 31 de agosto do mesmo ano, Temer e a sua quadrilha desferiram uma série de medidas contra os povos indígenas, a mais recente foi à oficialização do ‘marco temporal’ no processo de demarcação das terras indígenas, que tende a intensificar o conflito entre povos indígenas e latifundiários.

Segundo dados do Instituto Socioambiental (ISA), em 2017, não houve nenhuma terra indígena declarada ou homologada, as duas últimas etapas de um processo de demarcação.

Em 2016 houve apenas três terras indígenas homologadas e 12 terras indígenas declaradas. Todas elas nos meses de abril e maio, ou seja, no final do gerenciamento federal de Dilma Rousseff/PT.

Em seu último suspiro antes de ser sacada do gerenciamento do velho Estado, Dilma Rousseff, com o seu habitual oportunismo sacou a caneta que estava há muito tempo guardada e nas duas semanas que antecederam o impeachment homologou três terras indígenas e demarcou sete terras indígenas.

Conforme os dados do ISA, no pódio daqueles que menos demarcaram terras indígenas estão Michel Temer/PMDB, com a medalha de ouro, Dilma Rousseff/PT com a prata e Itamar Franco/PMDB com o bronze.

Segundo dados do Instituto Socioambiental, no Brasil existiam 704 terras indígenas, em diferentes fases do processo demarcatório, ocupadas por uma população de 652,2 mil indígenas, correspondendo a 253 povos. 98,3% das terras indígenas se concentram na região da Amazônia Legal, que corresponde a região Norte, mais partes dos estados do Maranhão e Mato Grosso.

Ainda segundo o ISA, no Brasil existem 480 terras indígenas homologadas e reservas, 108 em fase de identificação, 72 terras indígenas declaradas e 44 terras indígenas identificadas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza