Falece o comunista Helio Silva, valoroso filho do povo brasileiro

A- A A+

No último dia 23 de julho, o proletariado brasileiro perdeu um valoroso filho, o companheiro Helio Silva. A redação de AND recebeu a triste notícia na terça-feira, 25 de julho. Helio foi assassinado a facadas em sua residência, no bairro de Padre Miguel, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Seu corpo foi encontrado por familiares que registraram o furto de alguns objetos pessoais.

Helio nasceu no dia 8 de setembro de 1942, em Quintino, Zona Norte do Rio, filho de um ferroviário e uma doméstica. Aos 4 anos mudou-se com a mãe e os cinco irmãos para uma favela de Padre Miguel. Teve uma infância muito pobre e perdeu duas irmãs vitimadas pela tuberculose. Aos 9 anos trabalhou como engraxate e vendedor de balas nos trens para ajudar no sustento da família. Após os 18 anos, trabalhou fazendo bicos.

Em 1966, arrumou o emprego de ajudante de eletricista na Estrada de Ferro Central do Brasil, onde, convivendo com os operários e conhecendo a miséria de seus companheiros, passou a ter uma visão mais politizada da sociedade. Com o advento do golpe militar de 1964, e enxergando a necessidade de uma organização que dirigisse a luta popular não apenas para derrubar o regime, mas para superar o sistema de exploração, ingressou nas fileiras da Vanguarda Armada revolucionária – Palmares (VAR-Palmares) e passou a realizar trabalhos de propaganda e agitação contra o regime militar fascista pró-ianque. Tomou parte em diversas ações armadas, como uma em apoio ao Exército Republicano Irlandês (IRA), que aniquilou um marinheiro inglês no Rio de Janeiro.

Foi preso em 29 de outubro de 1972. Cercado por vários policiais e encapuzado, foi levado ao quartel da Polícia do Exército, na Tijuca, onde passou oito dias sem receber alimentos e sofrendo diversos tipos de tortura. Em todos os anos de cárcere, Helio enfrentou seus torturadores e saiu vitorioso, pois não delatou nenhum de seus companheiros e manteve sua moral revolucionária elevada. Participou da histórica greve de fome de mais de 30 dias no Presídio Frei Caneca.

Após sair da prisão, e com o passar dos anos, exerceu outras profissões, como motorista de caminhão de lixo. Até o fim da vida continuou na luta revolucionária apoiando a luta dos camponeses pobres pela destruição do latifúndio e por uma Revolução Democrática, Agrária e Anti-imperialista no Brasil. Participou ativamente do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo) e tomou parte, ao lado da juventude combatente, das Jornadas de Junho de 2013. Era um entusiasta da imprensa popular e democrática e grande apoiador do jornal A Nova Democracia

Seu enterro foi realizado no dia 27 de julho no Cemitério de Realengo. Dezenas de jovens revolucionários, companheiros de longa data, amigos e familiares estiveram presentes e prestaram uma bela homenagem, coroada com a bandeira vermelha com o martelo e a foice que cobriu seu caixão. Na próxima edição do jornal traremos uma matéria mais completa sobre o valoroso companheiro Helio Silva. Transmitimos a todos os familiares e companheiros, bem como aos nossos leitores, nossas mais sinceras homenagens.

 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja