Venezuela: Boicote à Constituinte atinge 58% do eleitorado

A- A A+
 

Ao menos 11,4 milhões (58,5%) de venezuelanos boicotaram as eleições para a Constituinte corporativista. Um total de 19,5 milhões estavam registrados para votar nesse 30/07. Os dados são do Conselho Nacional Eleitoral. A matéria completa sobre o assunto pode ser lida em AND nº 193.

Dirigidos diretamente pelos ianques, o México, Colômbia, Panamá, Argentina, Costa Rica, Peru, Paraguai, Espanha e o próprio USA anunciaram que não reconhecerão os resultados da votação à Constituinte. O governo reacionário de Temer se alinhou com o USA. 

Ao menos 10 pessoas morreram em protestos durante o dia de votação (30/7). O Ministério Público confirmou três mortes em Mérida, uma em Lara, três em Táchira (oeste) e uma em Sucre (nordeste).

Em Caracas, uma emboscada foi empreendida com uma bomba contra uma patrulha policial com motocicletas. A explosão ocorrida na praça Altamira (centro da cidade) destruiu motocicletas e deixou sete policiais feridos.

Os protestos estão proibidos desde o dia 28/7, sob penas de até 10 anos de prisão até o dia 1º de agosto.

Maquinações imperialistas

Durante o Fórum de Segurança de Aspen, realizado de 19 a 22/07, a CIA ianque destacou a “integração” com países lacaios da região para intervir na Venezuela.

“Acabo de estar na Cidade do México e em Bogotá [Colômbia] na semana passada falando sobre este tema precisamente; tentando ajudá-los a entender as coisas que poderiam fazer para alcançar melhores resultados para o seu canto do mundo e nosso canto do mundo”, afirmou o diretor da CIA ianque, Mike Pompeo.

Frente a esse cenário, os países vizinhos armam suas fronteiras, particularmente a Colômbia, que reforçou a linha fronteiriça à Venezuela com tropas do exército e com tropas especiais que até então combatiam os guerrilheiros das Farc. A justificativa foi “prevenir” um surto de febre aftosa que não é registrado na região desde 2009.

A Comissão das Forças Armadas do Senado ianque, em relatório apresentado em 9/07, afirmou que a situação política na Venezuela indica para uma guerra civil, ainda que de proporções limitadas.

O documento põe em xeque os interesses ianques na região, preparando o terreno para a agressão armada imperialista.

Emboscada destrói motocicletas e fere 7 policiais em praça no Centro de Caracas. Foto: AFP

 

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja