Colômbia: Velho Estado impõe ambiente de guerra contra greve de mineiros

A- A A+

Operários reagem e ferem 6 policiais

Ao menos 7 mil mineiros estão protagonizando violenta greve por melhores condições de trabalho e garantia dos direitos trabalhistas em Segovia, no estado de Antioquia, noroeste da Colômbia.

A greve iniciou-se no dia 20/07 e, com a repressão policial, desenvolve-se em uma espiral de violência e combatividade. O dia mais violento foi 12º dia de greve, em 1/08.

Segundo porta-vozes da Mesa Mineira, neste dia cinco civis foram hospitalizados e certamente vários outros ficaram feridos e decidiram não ir ao hospital.

No entanto, as massas se armaram para revidar. Segundo a polícia local, seis oficiais ficaram feridos, cinco deles por detonação de artefatos explosivos e um com tiro de arma de fogo improvisada.

Os mineiros e a população local bloquearam vias com veículos em chamas e incendiaram barricadas para impedir a atuação repressiva da polícia.

Eliober Castañeda, presidente do grêmio, afirmou que todo o processo de ascensão da violência começou por responsabilidade da polícia. Ele denunciou que os agentes da ESMAD (tropa de choque antimotim), no dia 31/07, chegaram na aldeia de La Cruzada aplicando terror e violência gratuita contra toda a população.

"A ESMAD chegou ao corregimento de La Cruzada dando pauladas, derrubando as vasos de colheitas da comunidade e distribuindo gases a torto e à direita. Isso alterou o ânimo das pessoas e provocou os confrontos". "Não nos parece justo que a própria autoridade comece a apontar à população. Aqui o que existe é população civil manifestando-se, porque o governo quer terminar com a mineração artesanal e ancestral de nossos territórios", concluiu.

O grêmio mineiro denunciou também que aproximadamente 260 pessoas, entre mulheres e crianças, tiveram que ser hospitalizadas por intoxicação com gás lacrimogêneo.

O "governo" do estado declarou toque de recolher entre os dias 1º e 2/08, alegando necessidade de "impor a presença da autoridade". Ofereceu também 50 milhões de pesos (moeda local) em troca de informações sobre suposta atuação de grupos armados na greve.

greve contra superexploração

Segundo a Mesa Mineira de Segovia e Remedios que convocou a greve, os mineiros protestam contra a negligência do "governo" que se nega a profissionalizar o trabalho artesanal.

Os mineiros denunciam que naquela região quem realiza o trabalho mineiro são as populações ancestrais e de origem camponesa, contratada informalmente por empresas do grande capital, e que os recursos vão para o mercado por um preço muito abaixo do valor. Condenam ainda a subserviência do velho Estado às multinacionais, a que atribuem a falta de apoio.

A greve começou no dia 20/07 em protesto por um "contrato de trabalho injusto imposto pela empresa Zandor Capital S.A", e englobou e despertou as outras reivindicações, como o fim do projeto de lei 169 de 2016 que visa erradicar a exploração ancestral das terras pelas populações.

Quando iniciou-se, a greve logo deparou-se com a resposta do governo: repressão. Um dia após deflagrada, o coronel Wilson Pardo, comandante da Polícia de Antioquia, afirmou que mobilizara 500 soldados para garantir a "ordem".

 

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza