RJ: Polícia terrorista invade o Jacarezinho pelo sexto dia consecutivo

A- A A+

 

Fotos: Ellan Lustosa / A Nova Democracia

Reportagem de AND, diretamente do Jacarezinho

A população trabalhadora da favela do Jacarezinho, localizada na Zona Norte do Rio de Janeiro, enfrenta há seis dias consecutivos o cerco e invasão do aparato policial do velho Estado. As operações terroristas das polícias Militar e Civil, com o pretexto de "combate ao crime organizado", são parte da guerra civil reacionária desencadeada pelas classes dominantes, que, como temos denunciado, tem contornos dramáticos para a população pobre do Rio.

Além dos assassinatos e violações abusivas de direitos, a Megaoperação tem deixado milhares de crianças sem aula e os moradores sem poder circular, sob a pena de morte que o monopólio da imprensa chama de "balas perdidas".

Vendedor assassinado e protestos

Ontem, dia 15 de agosto, terça-feira, um morador identificado como Sebastião Sabino da Silva ("Tião"), de 47 anos, foi assassinado durante uma incursão realizada pela Coordenaria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil, que contou com auxílio de "caveirões" (os famigerados veículos blindados). Segundo informações, Tião vendia frutas e verduras na comunidade e foi atingido durante o serviço. Além dele, a moradora Ana Carolina Pereira dos Santos, de 30 anos, foi atingida de raspão no rosto e encaminhada ao Hospital Geral de Bonsucesso.

Na parte da noite, moradores realizaram uma manifestação contra as Operações da polícia e bloquearam um trecho da Avenida Dom Hélder Câmara, a antiga Avenida Suburbana. O protesto andou pelos entornos e foi parado com bombas de gás ao passar pela Cidade da Polícia, que fica na Suburbana, próxima à favela. Os moradores então seguiram o protesto dentro da comunidade, sem visibilidade do monopólio da imprensa, mas com a presença da reportagem de AND, que registrou os gritos de revolta contra o extermínio do povo pobre e negro.

Moradores feridos

Quatro dias antes, 11 de agosto, um menino de 13 anos identificado como Yan Santos Fênix Ferreira foi baleado na bacia e também levado para o Hospital Geral de Bonsucesso. Um rapaz identificado como André Macedo foi baleado na perna e levado ao Hospital Municipal souza Aguiar, no Centro.

O clime de terror imposto na favela pela parafernalha militar do velho Estado vem infernizando o cotidiano dos moradores da região, que ficam sem segurança até para ir trabalhar e sustentarem suas famílias. A ONG "Rio de Paz" informou que irá interromper as atividades na comunidade. Em declaração à imprensa, Antônio Carlos Costa, presidente da ONG, denunciou : "Eu me deparei com uma comunidade em pânico. Nossa sede foi alvejada por seis tiros. Presenciei também o momento em que o helicóptero deu um rasante na nossa rua, desferindo uma rajada de tiros de fuzil".

Nesta quarta-feira, 16 de agosto, por causa das Operações, unidades escolares em Higienópolis, Maria da Graça, Triagem, Rocha, Jacaré e Manguinhos estão sem aula: um total de 7 escolas, 6 creches e 4 Espaços de Desenvolvimento Infantil fechados e 5295 alunos sem aulas.

 

 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira