RJ: Operação de guerra avança cerco contra favelas

A- A A+

Foto: Pedro Prado/Ponte Jornalismo

As forças de repressão do velho Estado invadiram na madrugada de ontem (21/08) seis favelas da Zona Norte do Rio – Jacarezinho, Complexo do Alemão, Bandeira 2, Parque do Arará, Mandela e Manguinhos –, dando prosseguimento à guerra civil reacionária que se abate sobre o povo carioca. Os ataques também ocorreram em um outro ponto da mesma região, o condomínio Morar Carioca.

O aparato mobilizado foi de aproximadamente 5,5 mil agentes das polícias Civil e Militar, das Forças Armadas, da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal, da Força Nacional, além da Agência Brasileira de Inteligência, que utilizaram três blindados e 41 viaturas.

Moradores tiveram suas casas invadidas logo pela manhã. Por conta do cerco feito pela repressão, trabalhadores foram impedidos de entrar nas comunidades e tiveram seus celulares vasculhados pelos agentes do velho Estado. Em relato à Ponte Jornalismo, um morador de Manguinhos afirmou que foi alvo de racismo por parte dos militares. “Um sargento me deu um enquadro, me chamando de macaco”, denunciou. Durante as arbitrárias abordagens, militares foram vistos jogando material escolar de crianças no chão.

No Jacarezinho, mais de 27 mil alunos não foram à escola ontem por conta da operação policial. A ausência de aulas já perdura por sete dias. Em reunião realizada à noite com o gerenciamento municipal, diretores de escolas da região decidiram que as aulas nos 15 colégios do Jacarezinho ficarão suspensas por tempo indeterminado. Atividades escolares também foram interrompidas no Complexo do Alemão, Manguinhos, Benfica e Higienópolis.

Cerco contra o povo no Jacarezinho

O Jacarezinho, comunidade que está há onze dias consecutivos cercada pela repressão policial, também foi alvo da Megaoperação que, nesta segunda-feira, contou com o reforço das Forças Armadas.

O resultado da ação genocida das forças de repressão na favela já registra sete pessoas assassinadas e oito feridas em Operações consecutivas de cerco e o terror que começaram no dia 11 de agosto, ocasião em que um agente das forças de repressão foi morto em circunstâncias ainda não esclarecidas. 

Sitiados em suas próprias casas, moradores tiveram que estocar comida e remédios nos últimos dias, além de conviverem com a restrição de serviços, como acesso à água, luz e transporte. As 400 toneladas de lixo acumuladas desde o início do terror policial, que representaram um sério risco à saúde dos moradores, só foram removidas ontem pela Comlurb. A Clínica da Família também se encontra de portas fechadas.

Foto: Pedro Prado/Ponte Jornalismo

Manifestação em Manguinhos

No último domingo (20), dezenas de manifestantes organizaram em Manguinhos um ato contra as operações das forças de repressão do velho Estado na região do Jacarezinho. O protesto, que fez parte da quinta edição da Caminhada da Paz, paralisou a Rua Leopoldo Bulhões e percorreu ruas e travessas da comunidade situada na Zona Norte.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza