Hélio Silva, herói do povo, completaria 75 anos

A- A A+

Nascido em 8 de setembro de 1942, no subúrbio de Quintino, Hélio Silva completaria ontem seus 75 anos se não fosse a infeliz tragédia que o atingiu. O mesmo foi assassinado a facadas em sua casa, localizada em um humilde bairro de Padre Miguel, Rio de Janeiro, e teve alguns de seus pertences furtados. 

Hélio teve uma vida bastante marcada pela fome e pela miséria que assolou a sua vida e a de sua família desde muito cedo, quando este ainda era criança. Hélio viu suas três irmãs se prostituírem para conseguirem o sustento da família, duas delas faleceram de tuberculose sem receberem nenhuma assistência médica. Por conta desse contexto Hélio sempre trabalhou desde criança para auxiliar nas despesas de casa, comprometendo assim o seu rendimento escolar. 

Hélio exerceu funções de engraxante de sapatos, vendedor de balas e motorista de táxi e somente em 1966 conseguiu um emprego fixo na Estrada de Ferro Central do Brasil, como ajudante de eletricista. Durante sua passagem por esse emprego Hélio foi obtendo consciência de classe na convivência com outros operários explorados como ele. Tal condição é uma realidade vivenciada por grande parte do povo brasileiro, que se vê obrigado a sobreviver com poucos recursos.

Seu histórico de lutas em favor do proletariado jamais será esquecido. Hélio compôs as fileiras da Vanguarda Armada Revolucionária de Palmares (VAR- Palmares). Foi um bravo lutador contra o regime militar fascista. Foi capturado pelo inimigo no dia 29 de outubro de 1972, sendo torturado e condenado à pena de morte pelo regime. Em todos os momentos Hélio manteve-se altivo e firme no seu propósito de servir ao povo brasileiro, não entregando nenhum de seus companheiros, se doando à luta de forma honesta, abnegada e desinteressada.

Hélio pode não estar mais fisicamente entre nós, porém sua memória e exemplo de plena entrega às lutas em defesa dos direitos do povo permanecerá viva, apontando às novas gerações o caminho para a construção de um Brasil Novo.

Leia mais:

Falece o comunista Hélio Silva, valoroso filho do povo brasileiro

Falece Hélio Silva, valoroso lutador

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza