Alemanha: Boicote eleitoral enfrenta histeria chauvinista

A- A A+
 

Jaílson de Souza

No dia 24 de setembro realizou-se, na Alemanha, a farsa eleitoral para conformar o novo governo imperialista. Os dois principais candidatos, Angela Merkel (União Democrata-Cristão, no poder desde 2005) e Martin Schulz (Partido Socialdemocrata), centraram seus embates em torno do proletariado imigrante. Vencedora da farsa, Merkel caminha ao seu quarto governo.

Além disso, esta eleição evidenciou o crescimento da extrema-direita alemã, o “Alternativa para a Alemanha”.

Somente em 2015, Merkel permitiu a entrada de 1,5 milhões de imigrantes de diferentes nacionalidades com o único objetivo de suprir as necessidades da economia imperialista alemã, pois os imigrantes aumentam a oferta de força de trabalho, jogam a média salarial para baixo e são superexplorados por serem menor remunerados.

Isto, no entanto, gera impasses. Merkel é pressionada em seu próprio partido, pois o proletariado imigrante que ela submeteu à mais brutal exploração e opressão chauvinista, resiste com ações desesperadas e atentados nas cidadelas do imperialismo, criando oposição em seu próprio partido quanto a sua política.

Ela mesma declarou por conta disso que pretende “endurecer as regras” para os refugiados e aumentar o orçamento da repressão em 2%.

Nesse caldo de cultura chauvinista e caricato anti-imigrante, cresceu a extrema-direita, propondo “metas anuais de deportações” de refugiados.

‘Boicotar a farsa eleitoral’


Em resposta, o proletariado e revolucionários levam adiante uma vigorosa campanha pelo boicote eleitoral.

A campanha contou com pichações, cartazes e panfletos que levantaram a palavra de ordem: Não votar! Lutar e Resistir! Ações foram registradas nas cidades de Weimar e Berlim.

Em pronunciamento emitido no início de setembro, no site Dem Volke Dienen (“Servir ao Povo”, em português), os revolucionários denunciam e conclamam:

“Um terço das crianças aqui crescem na pobreza, quem não é branco e não parece alemão tem que aguentar o controle policial sem nenhuma razão. [...] Aqueles que não querem que nossas condições de trabalho e de vida se agravem, não podem dar ao sistema uma aparência de legitimidade dando seu voto na ditadura da burguesia.”.

Os revolucionários alemães ainda chamam a atenção à necessidade de um partido revolucionário do proletariado. “O que necessitamos é uma organização política distinta da dos governantes. O Partido Comunista, um partido de novo tipo, que defenda os interesses da nossa classe e de todo o povo. Um partido que não tenha nada em comum com um partido eleitoreiro burguês, mas uma máquina de combate da classe operária, com o objetivo de conquistar o Poder”, concluem.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja