SP: Movimentos populares em defesa dos 18 manifestantes perseguidos

A- A A+

No último dia 22/09, o Comitê de Apoio ao jornal A Nova Democracia de São Paulo acompanhou o julgamento dos 18 manifestantes que foram detidos em setembro do ano passado e que estão sendo processados pela “justiça” do estado de SP. O Comitê de apoio também acompanhou a manifestação que aconteceu ao lado de fora do tribunal e conversou com pais e simpatizantes que estavam presentes no local.


Ocorreu na sexta-feira (22/09), a primeira sessão do processo contra 18 ativistas no Fórum Criminal Ministro Mário Guimarães, na zona oeste de SP. A denúncia movida pelo Ministério Público (MP) contra os jovens foi aceita pela juíza Cecília Pinheiro da Fonseca, da 3ª Vara Criminal do Fórum Criminal da Barra Funda. Os estudantes estão sendo acusados de associação criminosa e corrupção de menores. Os réus estão respondendo em liberdade ao processo, mas, caso forem julgados culpados, a pena pode chegar até a 4 anos de reclusão.

JUDICIÁRIO: INSTRUMENTO DAS CLASSES DOMINANTES

Dando aval para as crescentes perseguições políticas aos movimentos populares e pessoas que lutam, o judiciário mais uma vez mostra as suas garras contra o livre direito de manifestação e organização, mostrando, mais uma vez, o seu caráter reacionário. Na tentativa de criminalizar os protestos, a “justiça”, através desse processo contra os 18, tenta abrir precedente para que manifestantes sejam processados e julgados pelo simples motivo de protestar.  

O julgamento serviu para os acusadores vomitarem todo tipo de calúnia e apresentarem provas forjadas e insuficientes contra os estudantes processados. As testemunhas de acusação são os mesmos policiais que realizaram a detenção de forma arbitrária no dia da manifestação. Tais policiais que acusam os jovens também se contradisseram durante todo o julgamento, sendo que, em vários momentos, deram explicações divergentes de onde partiu a denúncia no dia do protesto e até mesmo entraram em contradição em relação a quem estava no comando da operação. As provas apresentadas também são insuficientes, já que foram apreendidos com os manifestantes vinagres e materiais de primeiros socorros. Materiais esses que são frequentemente usados em manifestações, já que são utilizados para amenizar os efeitos de gás lacrimogêneo, mas, para a juíza que aceitou a denúncia, são materiais que dão indícios de associação criminosa.

CRESCENTE PERSEGUIÇÃO AOS MOVIMENTOS POPULARES E ATIVISTAS

Com os fatos apresentados, fica evidente que a principal motivação do processo é de caráter político, unicamente no sentido de perseguir e criminalizar protestos e tentar intimidar o povo, que está cada vez mais se levantando de forma radicalizada contra todo tipo de exploração e opressão. Vemos também que o principal alvo dessas perseguições é a juventude, por ser justamente a juventude que está nas linhas de frente da luta. A lei “antiterrorismo” aprovada pelo gerenciamento de Dilma Rousseff/PT - que abriu um perigoso precedente contra movimentos populares - é exemplo cabal da crescente racionalização do velho Estado genocida brasileiro.

MANIFESTAÇÃO DE APOIO

Do lado de fora do tribunal, ocorreu uma manifestação em apoio aos jovens acusados injustamente. Contando com a participação de diversos ativistas, familiares e movimentos populares, o ato teve como objetivo esclarecer para a população o caráter farsesco do julgamento, além de fazer pressão pela absolvição dos 18 estudantes. Palavras de ordem como Presos políticos, liberdade já! Lutar não é crime. Vocês vão nos pagar!  foram entoadas pelos militantes.

A segunda parte do julgamento está marcada para o dia 10 de outubro e mais uma manifestação está sendo organizada em frente ao tribunal criminal.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza