RJ: Povo saqueia caminhão de feijão em Caxias

A- A A+

Na manhã de 18/10, um carregamento de feijão tombou na Rodovia Washington Luís, na altura do município de Duque de Caxias (RJ) após um caminhão se acidentar. Dezenas de pessoas atravessaram a avenida afim de levar os sacos de feijão caídos. O movimento foi tão intenso que chegou a fechar a pista lateral da rodovia. O monopólio de imprensa, como de costume, apressou-se em criminalizar a aglomeração que recolhia o alimento para complementar o escasso recurso de que dispõem para pôr a mesa de suas famílias.

Fatos como esse são cada vez mais comuns e mostram claramente a profunda crise na qual é atirado o povo. Em meio a completa precarização das condições de saúde, educação, saneamento e crescente desemprego - que já em 2016 atingia mais de 195 mil pessoas somente no município, segundo estudo da Casa Fluminense - a população de Duque de Caxias, localizado na Baixada Fluminense, sofre com uma das piores condições de vida do já precário Estado do Rio de Janeiro. Nessa situação, os saques são um meio ocasionalmente encontrado pelas classes populares para amenizar a privação de suas famílias. 

Duque de Caxias é a manifestação particular de uma situação generalizada no país, onde segundo os dados subestimados do IBGE, a quantidade de desempregados passou dos 14 milhões. Além do desemprego assombroso, os baixos salários forçam os trabalhadores a situações de penúria.

baixos salários não garantem alimentação

Segundo dados do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) publicados em 04/10, para garantir a sustentação de uma família média no Brasil, o salário do trabalhador brasileiro deveria ser de R$ 3.668,55.

Dessa forma, os trabalhadores que em meio ao imenso contingente de desempregados conseguem alguma ocupação, se deparam com um salário mínimo de miséria, atualmente de R$937,00 (valor 4 vezes menor que o necessário estimado) para suprir as despesas suas e de suas famílias com a alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer, previdência etc.



NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira