Latifúndio quer abrir terras indígenas para a agropecuária

A- A A+
Indígenas protestam em Brasília contra abertura de terras indígenas para o latifúndio (agronegócio). Foto do Conselho Indigenista Missionário (Cimi)

No dia 18 de outubro ocorreu uma audiência pública na Câmara dos Deputados que discutiu a liberação do arrendamento de terras indígenas para a exploração das atividades agropecuárias do latifúndio (agronegócio). Do lado de fora, cerca de 100 indígenas foram atacados por policiais quando tentaram entrar na audiência.

O evento foi proposto por Nilson Leitão/PSDB – presidente da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) – e convocado pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, visando atender uma antiga demanda de latifundiários: a legalização da exploração agropecuária em terras indígenas. Não contentes em invadir, explorar ilegalmente os recursos naturais das terras indígenas e bloquear os processos demarcatórios, os latifundiários querem se apoderar, por meio das mudanças na legislação, das terras indígenas, retirando ou dificultando o acesso dos povos indígenas ao seus territórios tradicionais.

“A Frente Parlamentar Agropecuária”, denunciou a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) em nota, “jamais irá desistir de seus propósitos de tomar conta das terras e territórios indígenas, seja para a expansão do agronegócio, da pecuária e exploração dos bens naturais, ou para a implantação de grandes empreendimentos, incluindo o extrativismo minerário industrial”.

Enquanto os representantes dos latifundiários debatiam a abertura das terras indígenas na audiência, os indígenas contrários a esta medida eram  atacados pelos policiais com bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral, além do uso de spray de pimenta.

Quatro indígenas – dois kaingang, um guarani-nhandeva e um terena – chegaram a ser detidos pelo Departamento de Polícia Legislativa (Depol). Três deles serão acusados de “dando ao patrimônio público” pelo Depol. Uma criança e uma mulher passaram mal devido a inalação dos gases tóxicos. As vidraças da entrada do edifício Anexo III da Câmara dos Deputados foram quebradas e veículos estacionados foram danificados.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira