SP: Dados escancaram guerra contra o povo

A- A A+
 

Foto: Ponte Jornalismo (Local da morte de Leandro Machado, morto na Favela do Moinho em 27/6, uma das 687 vítimas da PM |)

Recentemente, publicamos que no processo de um ano, a polícia militar do Estado de São Paulo sob mando do PSDB de Alckmin/Dória, assassinou 457 jovens com idade entre 14 à 24 anos. Os Dados foram adquiridos com base nos boletins de ocorrência realizados na região paulista.

Agora, mais recentemente (30/10), de acordo com dados atualizados pela SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo), policias civis e militares do Estado de São Paulo mataram 686 pessoas entre janeiro e setembro desse ano corrido. O que corresponde a um morto a cada 10 horas. É de longe, a maior série de assassinatos e aniquilamentos divulgadas pela SSP-SP, desde o segundo semestre de 1995. Pela segunda vez o número de mortos pelas mãos da polícia de São Paulo ultrapassa a marca de 600 pessoas durante os nove primeiros meses do ano. Em 2003, houve 678 mortos nesse período.

No ano passado, o Estado teve a maior proporção de mortes em decorrência de intervenção policial em relação ao total de mortes violentes em 2016: 17,4%. A proporção no Brasil é de 6,9%. São Paulo ultrapassa até os estados onde há maior letalidade policial, Amapá e Rio de Janeiro, que ficam em segundo e terceiro lugar, respectivamente, quando se fala na proporção da responsabilidade da polícia nas mortes violentas dos estados. O dado está no 11º Anuário Brasileiro de Segurança pública.

O que vem ocorrendo em São Paulo e no Brasil é uma verdadeira licença para matar os povos mais pobres e miseráveis do campo e da cidade. É parte da política da Guerra Civil Reacionária descarregada para impedir a justa revolta popular do povo oprimido. Historicamente são realizadas execuções que são acobertadas como confronto (quando muitas das vezes não houve confronto) e raramente a policia é efetivamente punida, pois essa instituição só serve para proteger os ricos e oprimir os pobres, chegando ao absurdo de desfigurar e omitir provas. Um exemplo disso foi o assassinato dos 5 jovens na Zona Leste de São Paulo estes foram aniquilados, tendo seus corpos enterrados sob cal em Mogi das Cruzes e também, o caso do carroceiro Ricardo Silva Neto, baleado no peito em Pinheiros, tendo seu corpo manuseado e cartuchos retirados para esconder o autor do crime, indo totalmente contra a regra crucial dos primeiros socorros que é preservar o local do crime/acidente.

A realidade em São Paulo é objetiva e vai de convergência a realidade do nosso País semicolonial e semifeudal em crise do capitalismo burocrático como consequência da crise geral do imperialismo. Essa crise econômica, política, social soma-se a crise militar que caracteriza a situação revolucionária em desenvolvimento no Brasil. Como já mencionado no editorial da edição 198 "O conluio civil-militar repete o intento de fazer passar as Forças Armadas como verdadeiras vestais e fazer o povo esquecer da corrupção, entreguismo e desgoverno praticados pelo regime militar. Advogam ainda a desenxabida tese de que as instituições são boas, os políticos é que as achincalharam e, assim, o que se coloca é uma intervenção militar para efetuar uma assepsia nas instituições."

O povo brasileiro não tem mais ilusão com o velho Estado e suas velhas instituições, as verborragias daqueles que defendem um Estado policialesco não encontra sua demagogia respaldada nas massas, pois o povo pobre sabe para quem esses pilantras trabalham: a serviço do latifúndio, da grande burguesia e do imperialismo. A única solução para os anseios das massas é uma Revolução de Nova Democracia que varrerá esses pilantras para fora com todo o monte de lixo que eles representam.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja