Denúncia : 'Abaixo ao criminoso despejo da retomada Guapoy!'

A- A A+

Repercutirmos a seguir nota emitida pelo Comitê de Solidariedade aos Povos Indígenas do Mato Grosso do Sul sobre uma eminente ordem de despejo sobre uma retomada em Caarapó.




Abaixo ao criminoso despejo da retomada Guapoy!



O Comitê de Solidariedade aos Povos Indígenas vem por meio desta nota denunciar a criminosa ordem de despejo destinada a retomada Guapoy, localizada em Caarapó-MS, aos arredores da Aldeia Tey’Kue e da TI Dourados Amambaipegua I.

O tekoha Guapoy foi retomado dias após o Massacre de Caarapó, quando centenas de pistoleiros armados atacaram o tekoha Toro Paso (hoje Kunumi Poty Verá) e assassinaram o agente de saúde Clodiodi Aquileu Rodrigues de Souza. Como resposta a este famigerado ataque, os Guarani e Kaiowa fortaleceram sua resistência e avançaram para novas retomadas.

No último dia 8, uma notificação de despejo chega até a retomada, tendo como ré a FUNAI. Porém, a notificação chegou às mãos da FUNAI duas semanas antes, sendo que este é o prazo para requerer o processo, ou seja, não houve tentativa de reversão do despejo nem qualquer diálogo com a comunidade. Desde então, latifundiários da região tem ameaçado a retomada, circulando a comunidade armados, em suas motos e caminhonetes.

Um dos artifícios utilizados pelo Estado é alegar que a propriedade incidente sobre o tekoha é pequena, e por isso não seria mais um caso de grilagem de terras. Porém, as terras estão registradas em nome de uma empresa possuidora de outras propriedades, tratando sim de um latifundiário. Outro artifício é a alegação que não havia indígenas no local quando da promulgação da constituição de 1988, ou seja, a tese do “Marco Temporal”. Ora, senhores, não sabemos do processo de desapropriação e roubo das terras indígenas que historicamente ocorreu em nosso país? Também não sabemos a histórica violência dos grandes burgueses e latifundiários contra os povos originários, assim como prossegue hoje com a sanha das mineradoras por espoliar terras indígenas? Portanto, repudiamos a tese do Marco Temporal, e alertamos a necessidade de resistir a ela para além dos instrumentos jurídicos.

Diante desta criminosa reintegração de posse, onde o Estado promete preparar grande aparato de forças (Força Nacional, Policia Militar, Corpo de Bombeiros, Conselho Tutelar, etc) para “enfrentar” cerca de 100 pessoas, convocamos a todos os apoiadores a defender a retomada do tekoha Guapoy, desfraldando a palavra de ordem “Abaixo ao criminoso despejo da retomada Guapoy!”. De norte a sul o Estado brasileiro, lacaio de grandes burgueses e latifundiários, desata um processo de repressão e criminalização da luta pela terra. Tudo para tentar conter as tomadas e retomadas de território empreendidas por indígenas, camponeses e quilombolas. O CSPI -Comitê de Solidariedade aos Povos Indígenas defende o avanço da luta pela terra e condena todo tipo de repressão aos povos tradicionais.



Guapoy Resiste! Terra pra quem nela vive e trabalha!

Abaixo a criminalização da luta pela terra!

Viva a Autodemarcação!

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait