Estado indiano nega tratamento ao professor Saibaba

A- A A+

Negá-lo cobertores no inverno é uma das violações, diz Varavara Rao

Vários grupos da sociedade civil, grêmios estudantis adivasis e partidos políticos – como o Partido Comunista da Índia (Maoista) – exigiram que o velho Estado indiano proporcione imediatamente cobertores e tratamento médico ao professor GN Saibaba, detido na prisão central de Nagpur, estado de Maharashtra. Segundo o Presidente da Frente Democrática Revolucionária da Índia, Varavara Rao, o professor Saibaba exige ser transferido para a prisão central de Cherlapally, no município de Hyderabad.

Varavara Rao afirmou ainda que “ainda que seu advogado o visite todas as semanas levando os remédios necessários, estes chegam ao Saibaba somente 7 a 10 dias depois”.

O pronunciamento dos ativistas e democratas em apoio a Saibaba ocorreu no dia 17 de novembro, após um debate no Hall da Universidade de Osmania, no município de Hyderabad, estado de Telangana. Os participantes discutiram o caráter político da prisão de Saibaba, que fere grosseiramente o processo jurídico e as convenções internacionais quando lhe nega tratamento à sua pancreatite aguda.

O professor GN Saibaba é um democrata que foi condenado à absurda pena de prisão perpétua por não dar trégua ao criminoso Estado indiano, sempre em defesa dos direitos do povo. Sua incansável luta a favor do povo o rendeu a acusação de ser maoista, o que, para o velho Estado, é suficiente para encarcerá-lo. Ele denuncia que a negligência aplicada contra sua condição de saúde, correndo sério risco de morrer, é deliberada e com o objetivo de aniquilá-lo.

Em fevereiro de 2017, pouco antes de ser preso pela última vez, Saibaba foi internado no Hospital Rockland, em Déli, onde constatou-se sua pancreatite aguda e o prognóstico apontara para a necessidade de uma cirurgia, impedida pelo velho Estado.

“Eu não tenho um cobertor. Eu não tenho um suéter ou jaqueta. À medida que a temperatura diminui, as dores excruciantes e contínuas nas pernas e na mão esquerda aumentam. É impossível para mim sobreviver aqui durante o inverno que começa a partir de novembro. Eu moro aqui como um animal nos últimos suspiros.”, denunciou em carta escrita à sua esposa, Vasantha, no dia 17/10.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza