Chile: Operários realizam greve histórica

A- A A+

Com informações do jornal El Pueblo

Uma histórica greve foi deflagrada na companhia de gás chilena Gasco GLP, com a adesão de 97% dos operários, no Chile. A greve, iniciada no dia 7 de dezembro, é a primeira ocorrida na companhia em 161 anos de existência.

A greve foi deflagrada após um mês de negociações infrutíferas. O estopim foi uma irrisória proposta de reajuste salarial da companhia, em 0,7%. O rechaço dos trabalhadores a esta primeira oferta foi contundente: o início da greve.

A histórica adesão de mais de 97% dos trabalhadores, homens e mulheres, é também outro fato que dá peso a esta luta das massas operárias.

Em retaliação, ao menos 30 trabalhadores foram demitidos pela empresa no mesmo dia em que foi apresentada a proposta de reajuste em 0,7%, numa clara tentativa de pressionar os operários a aceitá-la.

Segundo o sindicato, a demissão foi, além de tudo, sorrateira. Segundo aponta, o setor de Recursos Humanos de uma das repartições da empresa enganou os funcionários, levando-os a uma suposta “reunião de trabalho”, mas, chegando lá, foram notificados das demissões.

Os operários, a maioria com mais de cinco anos de empresa, apontam que houve “abuso de poder e atropelo da dignidade e respeito”. Uma das operárias afirmou que se sentiu como “um grupo de cordeiros a caminho do matadouro”.

“Se a empresa quer nos meter medo com as demissões dos companheiros, então o tiro saiu pela culatra. Agora conhecemos melhor com qual tipo de gente estamos tratando.”, declarou um operário com mais de 10 anos na empresa, segundo o portal Resumen Latinoamericano.


Monopólio insaciável

A companhia Gasco é propriedade do grupo monopolista Pérez-Cruz. Contrastando com a minguada proposta de reajuste salarial em 0,7%, no ano passado a companhia alcançou lucros notáveis de 13 milhões de dólares, segundo declarou a mesma.

Em 2013, segundo o relatório Sector Gas - Memoria Anual 2013, divulgado pela Bolsa de Santiago, a Gasco ocupou 27% do mercado nacional chileno, vendendo 313 mil toneladas de gás para residências, comércios e indústrias, mantendo hegemonia na região metropolitana de Santiago. Por meio de subsidiárias, o monopólio também atua em países vizinhos como Argentina e Colômbia. Neste último, o monopólio abastece quase todos os departamentos (estados) do país, participando em 21% do mercado nacional colombiano. Trata-se de uma companhia do capitalismo burocrático chileno.

Os trabalhadores exigem aumento substantivo dos salários, aumentos dos benefícios ligados à qualidade de vida e reajustes na política contratual - tempo maior de duração - visando maior garantia de emprego.

O problema salarial no Chile é notável. Mais de 27% da população do Chile afirma que o que ganha mensalmente não é o suficiente para comprar alimentos, segundo informe da Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Econômico (OCDE), intitulado Society at a Glance 2014. Mais de 63% das famílias chilenas têm dívidas com bancos como resultado do baixo salário, segundo levantamento do próprio Banco Central do Chile em 2011-2012.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait