Argentina: Greve Geral e manifestações repudiam contrarreformas

A- A A+

Foto: Eitan Abramovich/AFP

Uma Greve Geral convocada contra os ataques à previdência promovidos pelo gerenciamento antipovo de Maurício Macri paralisam desde 18/12 os transportes e o comércio na Argentina.
Também nesta segunda-feira (18), massivas manifestações sacudiram as ruas de Buenos Aires e a praça do Congresso, registrando confrontos com as forças de repressão do velho Estado.

Os enfrentamentos duraram pelo menos 4 horas. Em resposta aos violentos ataques dos batalhões policiais que atiraram bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha contra os trabalhadores, manifestantes lançavam pedras, garrafas e rojões.

Desde o dia 14 de dezembro, quando um combativo protesto forçou o congresso a suspender a votação da contrarreforma, milhares de pessoas tem tomado as ruas da capital contra o corte de direitos.


Foto: Eitan Abramovich/AFP


Manobras para aprovar ataques

Como manobra para aprovar a contrarreforma na madrugada de (19/12), o reacionário Macri fez um acordão com seus "opositores" - "pacto fiscal" assinado com 23 das 24 províncias do país - por meio do qual promete dividir entre os participantes o butim arrecadado com os ataques aos direitos do povo.

Dentre os ataques contra os direitos previdenciários contidos no pacote, estão as alterações nos cálculos das aposentadorias, pensões e da Quota Universal por Filho. Dos quais um ponto importante é o que altera a "fórmula de mobilidade", medida que estabelece os aumentos periódicos aplicados aos salários considerando a situação inflacionária do país.

Atualmente esta fórmula beneficia mais de 17 milhões de aposentados, pensionistas e beneficiários de programas familiares.  Além disso, de acordo com a "reforma", o reajuste dos benefícios deixará de ser semestral e passará a ser aplicado a cada trimestre, fazendo com que a compensação de aproximadamente 12% prevista para março de 2018 caia para 5,7%.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira