MA: Ka’apor realizam autodemarcação e autodefesa de seu território

A- A A+
Ka'apor expulsam madeireiras e incendeiam seus equipamentos e máquinas, agosto de 2014. Foto de Lunae Parracho/Reuters

Com informações do Repórter Brasil

 

Os ka’apor têm avançado ano a ano em seu processo de autodemarcação e autodefesa de seu território tradicional no estado do Maranhão. Os indígenas, cansados da inoperância dos órgãos do velho Estado, estabeleceram os limites de seu território e começaram a expulsar os invasores.

Concentrados principalmente na Terra Indígena (TI) Alto Turiaçu, território com 531 mil hectares situado entre sete municípios do oeste maranhense [1], os ka’apor têm expulsado os madeireiros, os principais invasores de sua terra, chegando a apreender e incendiar equipamentos, máquinas e infraestruturas construídas ilegalmente por eles.

Pequenas estradas têm sido reconstruídas para garantir a locomoção dentro da terra indígena e permitir as ações de autodefesa realizadas pelos guardas florestais indígenas. A guarda florestal ka’apor foi criada em 2013 reunindo indígenas de diferentes aldeias.

Para evitar a invasão das madeireiras os indígenas também criaram áreas de proteção em locais onde havia pontos de extração ilegal de madeira. Atualmente existem sete áreas de proteção, que tem contribuído para a redução do desmatamento da floresta amazônica presente no oeste do Maranhão.

Latifundiários e madeireiros indignados com as ações dos ka’apor reagiram através de uma série de ataques e assassinatos. Em 2015, a liderança Euzébio Ka’apor foi assassinada em uma emboscada, sendo alvejado por vários disparos pelas costas.

Em vídeo disponibilizado pela agência Repórter Brasil podem ser vistas imagens das ações de autodefesa dos indígenas como a queima de uma ponte construída para o transporte de madeira dentro da TI Alto Turiaçu, além da detenção de trabalhadores a serviço das madeireiras.

 

A organização dos ka’apor

Os ka’apor, que acabaram com o sistema do cacicado, se organizam por meio do Conselho dos Tuxás, que reúne as lideranças de 14 das 17 aldeias da TI Alto Turiaçu, no qual  as decisões do conselho são tomadas coletivamente. Além do Conselho dos Tuxás, cada aldeia tem o seu próprio conselho.

A educação dentro da TI Alto Turiaçu é de responsabilidade dos próprios ka’apor, sendo compreendida como uma das chaves para se preservar a sua cultura. As crianças e os adolescentes são escolarizados na língua ka’apor, sendo que até os onze anos de idade a escolarização é realizada apenas neste idioma e depois em ka’apor e português.

Cansados de serem negligenciados pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), os ka’apor têm buscado uma nova forma de organizar a saúde indígena, conciliando a medicina tradicional com a medicina dos “karaís” (não indígenas).

Nota:

[1] Os sete municípios são Araguanã, Centro do Guilherme, Centro Novo do Maranhão, Maranhãozinho, Nova Olinda do Maranhão, Santa Luzia do Paruá e Zé Doca.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza