Tunísia: Revolta popular sacode o país

A- A A+

Uma onda de protestos violentos está sacudindo a Tunísia, na África, contra a pobreza e exploração assegurada pelo velho Estado. Disparada contra a crise e os ataques às condições de vida das massas, como inflação, alta no custo de vida e desemprego galopante, a revolta popular – iniciada no final do ano passado – é a maior desde a chamada “primavera árabe”, ocorrida há sete anos.

Os manifestantes, que se compõem de adultos e jovens proletários, semiproletários e da pequena burguesia, exigem a imediata baixa no custo de vida e a revogação da alta em alguns serviços. No início do ano, aumentaram a taxa sobre ligações telefônicas, internet, gasolina, carros e outros.

Todos esses ataques aos direitos do povo foram resultados de um acordo firmado pelas “autoridades” semicoloniais e o abutre Fundo Monetário Internacional (FMI). Há um ano, a gerência do reacionário Beji Caid Essebsi pegou cerca de US$ 2,8 bilhões com as oligarquias financeiras, entregando mais o país ao saque imperialista.

No dia 14/01, o governo semicolonial do país foi obrigado pelas violentas rebeliões a ceder e atender a uma das reivindicações. Segundo informou o ministro das Relações Sociais, Mohammed Trabelsi, foi proposto o aumento dos pagamentos de assistência social aos mais pobres, além de reformas no sistema de saúde e de oferta de moradia. Ainda segundo a gerência, os detalhes serão definidos pelo parlamento.

Rebelião e repressão

Os protestos, inicialmente pacíficos, foram ficando sem paciência e as massas aplicaram saques e atos de sabotagem. Nos protestos, frente à repressão, os manifestantes utilizaram-se da autodefesa com pedras, paus e bombas incendiárias, como coquetel molotov. A autodefesa das massas deixou mais de 58 policiais feridos e destruiu mais de 57 veículos da polícia.

Em Thala, perto da fronteira com a Argélia, manifestantes fizemos um vigoroso protesto. Utilizando-se da justa revolta, chegaram a incendiar um prédio da agência de segurança nacional e a polícia teve que abandonar a cidade, segundo testemunhas ouvidas pelo monopólio da imprensa.

O governo enviou o Exército para várias cidades, como Kebeli, Thala e Bizert, para reprimir as manifestações.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira