SP: Greve dos metroviários contra a privatização

Metroviários de São Paulo paralisaram o serviço na cidade por 24 horas no dia 18 de janeiro. Os trabalhadores exigem o fim do processo de privatização de duas linhas do metrô. A greve conquistou a suspensão do leilão de privatização por liminar da 12ª Vara da Fazenda Pública da Capital, mas a liminar foi suspensa horas depois.

A paralisação contou com a adesão de 90% dos metroviários, que já sofreram com imposições como aumento da jornada de trabalho, em 2017. Para reprimir a greve, a justiça do trabalho determinou, no dia 16, que 80% dos funcionários deveriam trabalhar em horários de pico sob a ameaça de uma multa de R$ 100 mil, caso os horários não forem cumpridos.

Essa não é a primeira repressão desatada contra uma paralisação da categoria. A greve de junho de 2014, por exemplo, durava cinco dias e era a maior paralisação já feita pelos metroviários quando o gerente Geraldo Alckmin retaliou, demitindo 42 trabalhadores, alegando justa causa e considerando a greve abusiva.

A privatização foi realizada na manhã do dia 19/01 e vendida ao grupo monopolista CCR, que já administra a linha 4 (Amarela). Entre os principais acionistas da empresa estão as empreiteiras Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa, envolvidas em escândalos de corrupção, e cerca de 86% de seus investidores são compostos por oligarquias financeiras imperialistas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro